OMS diz que cloroquina não tem eficácia comprovada para tratar a Covid-19

Organização Mundial da Saúde pontua ainda que o medicamento pode causar efeitos colaterais e que outros remédios estão sendo testados

atualizado 20/05/2020 15:31

remédios em fundo azulMyke Sena/Esp. Metrópoles

O comando da Organização Mundial de Saúde (OMS) foi questionado em entrevista coletiva virtual desta quarta-feira (20/05) sobre a decisão do governo do Brasil de divulgar protocolo do Ministério da Saúde que prevê o uso da cloroquina desde os primeiros sinais do novo coronavírus.

Diretor-executivo da OMS, Mike Ryan assinalou que toda nação soberana pode aconselhar seus cidadãos sobre qualquer medicamento, mas alertou: “A hidroxicloroquina ou a cloroquina até agora não se mostraram eficazes contra a Covid-19“.

Ryan lembrou ainda que existe o risco de uma série de efeitos colaterais decorrentes do uso desses medicamentos. Além disso, comentou que, atualmente, há várias pesquisas sendo realizadas para testar potenciais remédios contra o coronavírus – a cloroquina e a hidroxicloroquina estão entre esse compostos.

A epidemiologista Maria Van Kerkhove acrescentou que a entidade também trabalha pela meta comum de descobrir “qual terapia é segura” no combate ao vírus.

Em declaração inicial na coletiva, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que “preocupa o aumento dos casos de coronavírus em países de renda média e baixa” – no entanto, ele não citou exemplos.

Mais cedo, a Sociedade Brasileira de Imunologia já havia se declarado contrária ao protocolo do governo federal ao pontuar que o posicionamento é “perigoso, pois tomou um aspecto político inesperado”. A entidade frisou a importância de “bases em evidências científicas sólidas” para esse tipo de decisão.

Últimas notícias