Algoritmo prevê sinais de Alzheimer no cérebro com 99% de precisão

Pesquisadores usaram dados de 78 mil ressonâncias magnéticas para criar modelo que identifica sinais de comprometimento cognitivo leve

atualizado 08/09/2021 18:11

raios xhaydenbird/GettyImages

Pesquisadores da Kaunas University, na Lituânia, conseguiram criar um algoritmo que identifica com 99% de precisão sinais de comprometimento cognitivo leve, uma situação que pode anteceder quadros de Alzheimer. A condição não apresenta sintomas físicos.

O mecanismo analisa exames de ressonância magnética e procura por sinais de comprometimento do cérebro. Esse tipo de avaliação normalmente é feita pelo médico, mas pode demorar e ter erros.

Foram usados dados de 78 mil exames para treinar o algoritmo até que ele apresentasse precisão suficiente. O modelo pode ser usado ainda para desenvolver softwares que incluam outras informações, como pressão arterial e idade do paciente.

“O processamento moderno de sinais permite delegar o processamento de imagens para a máquina, que pode completar a análise de forma mais rápida e precisa”, explica Rytis Maskeliunas, um dos autores do trabalho publicado na revista científica Diagnostics.

A ideia dos cientistas é que a máquina auxilie os médicos no diagnóstico, uma vez que a identificação precoce dos sinais do Alzheimer é essencial para retardar a progressão da doença.

Mais lidas
Últimas notícias