Flatulência excessiva, inchaço abdominal, enxaqueca, infecções frequentes, intestino preso e cansaço, entre outros, são sintomas comuns de quem sofre com a disbiose intestinal. A doença é um desequilíbrio da flora bacteriana intestinal e reduz a capacidade de absorção dos nutrientes, causando carência de vitaminas.

Esse quadro á causado pela diminuição do número de bactérias boas do intestino e aumento das bactérias capazes de causar doenças. Uma dieta rica em frutas e vegetais, fontes de fibras solúveis, alimentos fermentados (como iogurte e kefir) e, ainda, o uso de probióticos são essenciais para contornar esse quadro de desequilíbrio.

Também são alertas do corpo para quem sofre de disbiose intestinal: alergias respiratórias e de pele; aumento das crises de doenças autoimunes, como a dermatite; aumento da oleosidade da pele; queda de cabelo; unhas fracas e quebradiças; e, ainda, dificuldade para emagrecer e/ou ganhar massa muscular.

De acordo com o nutricionista esportivo Renato França, a disbiose resulta em uma hiperativação do sistema imunológico e aumento da inflamação sistêmica. Segundo o especialista, o consumo excessivo de doces, açúcares, frituras, adoçantes e aditivos químicos presentes nos produtos industrializados, bem como o uso frequente de antibióticos e a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas, pode piorar a situação. “Um bom nutricionista pode ajudar a reequilibrar a função intestinal, melhorando sua resposta à dieta e, de quebra, reduzir uma vasta gama de sintomas que afetam negativamente o dia a dia”, aconselha França.