Covid-19: vacina mais avançada pode ser registrada só em junho de 2021

A previsão foi feita pela reitora da Unifesp, Soraia Smaili. Data será possível caso registro emergencial de 12 meses seja aprovado

atualizado 15/07/2020 15:41

Vacina do coronavírus testada em São PauloGetty Images

A vacina contra Covid-19 em processo mais avançado no mundo – a qual tem o Brasil como parceiro na última fase de testes – só deve ter o registro aprovado em junho de 2021. A previsão foi feita pela reitora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Soraia Smaili, em entrevista à GloboNews.

O Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) da Unifesp é o responsável por coordenar a aplicação da imunização em pacientes de Covid-19 em São Paulo. De acordo com Smaili, os resultados da vacina de Oxford são promissores, mas é necessário respeitar o tempo de avaliação.

“É possível que tenhamos resultados promissores no início do ano que vem e o registro em junho. A vacina de Oxford é uma candidata bastante forte e está bem avançada. É preciso respeitar o tempo do estudo, precisa ter os resultados, pelo menos, dos seis primeiros meses, para saber qual o conjunto das conclusões. Juntando todos os resultados, eles poderão ter o registro em 12 meses, ou seja, junho do ano que vem”, afirma.

ChAdOx1 nCoV-19 é considerada como um dos métodos mais promissores do mundo e já está na etapa mais avançada de testes – quando é administrada para grandes grupos de pessoas. A própria Organização Mundial da Saúde reconhece o avanço da pesquisa como o mais promissor.

0

Últimas notícias