Cientista cria bebida com os efeitos do álcool, mas sem os malefícios

Sem riscos ao fígado, rins ou predisposição a aparecimento de câncer, o Alcarelle age nos receptores do cérebro e seria completamente seguro

Bruno de Lima/DivulgaçãoBruno de Lima/Divulgação

atualizado 18/04/2019 20:42

O álcool é uma substância polêmica. Alguns estudos garantem que, em quantidades moderadas, a bebida pode trazer benefícios ao organismo. Outras pesquisas alertam para os malefícios do consumo desses produtos: desde a destruição do fígado até a ligação com alguns tipos de câncer. Mas, independentemente dos resultados divulgados pelos cientistas, esse hábito sempre esteve presente no dia a dia da população.

Intrigado com os efeitos colaterais dessas bebidas, o cientista inglês David Nutt decidiu estudar como a substância atua no cérebro. Ele descobriu que o álcool estimula os receptores de GABA, isso acalma o sistema nervoso e traz aquelas sensações gostosas que acompanham uma taça de vinho ou copo de cerveja.

Após mapear esse percurso, Nutt criou um “antídoto”, um bloqueador dos receptores GABA. Quando testada em ratos bêbados, a nova fórmula terminou instantaneamente os sintomas do álcool. Mas, quando administrada em animais sóbrios, causou convulsões, por isso foi descartada.

Depois de coletar essas informações, o pesquisador decidiu criar a Alcarelle, uma bebida para estimular os mesmos receptores do álcool. Mas esse novo produto está sendo considerado mais saudável. O gosto ainda é ruim, mas não importa quanto a pessoa consuma, nunca ficará completamente alcoolizada e não terá ressaca.

A invenção ainda não pode ser comercializada, só os alunos de Nutt puderam experimentá-la. A ideia é oferecer a formula à indústria de bebidas. “Porém, ainda precisamos realizar testes para checar se a molécula é segura e ainda precisamos mostrar que é diferente do álcool”, afirma o cientista.

Últimas notícias