China defende vacina contra Covid-19 e pede cooperação do Brasil

Porta-voz do ministério de Relações Exteriores do país apontou eficácia da imunização e "posição de liderança"

atualizado 22/10/2020 17:36

Doutor Gustavo Romero, coordenador do estudo da vacina contra Covid-19 no Distrito Federal, mostra embalagem e seringa utilizada para a imunização - vacina covidJacqueline Lisboa/Especial Metrópoles

Questionado sobre a decisão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de cancelar a compra de 46 milhões de doses da vacina para o coronavírus produzida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantã, o ministério das Relações Exteriores da China defendeu a eficácia do imunizador e exortou o governo brasileiro a continuar trabalhando em parceria com o país asiático.

“Acreditamos que a cooperação relevante contribuirá para a derrota completa da epidemia na China, no Brasil e para as pessoas de todos os países do mundo”, disse o porta-voz do órgão, Zhao Lijian, em entrevista coletiva.

O representante da pasta destacou que as pesquisas clínicas chinesas estão em “uma posição de liderança“. Segundo ele, quatro fórmulas entraram na fase 3 dos ensaios em vários países. Zhao Lijian também reforçou o compromisso de tornar o imunizante um bem público global, a fim de contribuir para “disponibilidade e acessibilidade das vacinas nos países em desenvolvimento“.

0

Últimas notícias