metropoles.com

Tarcísio estuda aumentar o teto salarial do governo

Governador eleito quer discutir índice de reajuste com a Assembleia, que propôs aumento de 50% no salário dele, teto do funcionalismo

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação/ Governo de São Paulo
tarcisio
1 de 1 tarcisio - Foto: Divulgação/ Governo de São Paulo

São Paulo – O governador eleito de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), afirmou nesta quinta-feira (17/11) que estuda aumentar o teto salarial do funcionalismo paulista, que é atrelado ao salário do chefe do Executivo e está congelado desde 2019.

Tarcísio disse que entende ser “necessário” promover um reajuste e que vai discutir o porcentual a ser aplicado com a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), que já propôs um aumento de 50% no salário do governador, do vice, e dos secretários para o ano que vem.

“A gente tem que ter muita responsabilidade, porque quando você fala em aumento do salário do governador, você tem que ver que é baliza o teto do funcionalismo. Então, no final das contas, isso impacta uma série de carreiras e impede que uma série de profissionais tenha um aumento real. Eles já estão com uma perda salarial com esse teto congelado desde 2019”, afirmou o governador eleito.

Tarcísio foi questionado sobre a proposta que tramita na Alesp durante coletiva de imprensa após a primeira reunião da transição de governo com o atual governador, Rodrigo Garcia (PSDB), no Palácio dos Bandeirantes. A medida beneficiaria, principalmente, a elite do funcionalismo, como auditores fiscais e delegados de polícia.

 

0

 

Tarcísio ponderou que também será preciso de “espaço” no orçamento do estado para recompor o salário da chamada “base da pirâmide” do funcionalismo, como servidores das áreas da Educação, Saúde e Segurança Pùblica.

“Então, isso tem de ser avaliado com responsabilidade. Entendo que isso é necessário, mas temos que contemplar a questão de espaço para fazer os ajustes que a gente também tem de fazer nas carreiras de entrada. Por isso, é um assunto que a gente tem de olhar mais para frente e interagir com a Assembleia”, completou.

 Aumento salarial

O projeto de lei que tramita em regime de urgência na Alesp propõe que o salário do governador passe de R$ 23 mil para R$ 34,5 mil. Já o subsídio do vice, Felício Ramuth (PSD), será de R$ 32,8 mil, ante os atuais R$ 21,8 mil previstos em lei.

O texto prevê também aumento de 50% para os secretários, que receberiam salário de R$ 31,1 mil, caso o projeto seja aprovado. Atualmente, os 23 integrantes do primeiro escalão recebem remuneração bruta mensal de R$ 20,7 mil.

O salário do governador é considerado o teto do funcionalismo paulista. Hoje, um servidor que poderia receber mais do que os atuais R$ 23 mil, tem o valor excedente descontado da folha de pagamento.

Caso seja aprovado, a projeto provocará um efeito cascata nas demais carreiras públicas do estado. O impacto estimado nos cofres do estado é de R$ 1,5 bilhão. O lobby pela aprovação da proposta é mais forte entre os auditores fiscais e os delegados de polícia.

Os deputados estaduais já tentaram aprovar o texto duas vezes na semana passada, mas não houve quórum na votação em plenário. O projeto deve voltar para a pauta do plenário na próxima semana.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?

Notificações