metropoles.com

Tarcísio inicia transição pressionado por aumentos de salário e emenda

Eleito governador há 17 dias, Tarcísio de Freitas também enfrenta assédio de partidos que o apoiaram na eleição por cargos no novo governo

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Instagram
Tarcísio de Freitas e Guilherme Afif
1 de 1 Tarcísio de Freitas e Guilherme Afif - Foto: Reprodução/Instagram

São Paulo – Dezessete dias após ter vencido a eleição em São Paulo, o governador eleito, Tarcísio de Freitas (Republicanos), dá o pontapé inicial na transição de governo nesta quarta-feira (16/11), pressionado por dois projetos que já tramitam na Assembleia Legislativa de Sâo Paulo (Alesp) que provocam impacto direto no Orçamento do estado.

Um prevê aumento de 50% nos salários do próprio governador, de seu vice, e dos futuros secretários que irão compor o novo governo a partir de janeiro de 2023. Outro propõe dobrar o valor das emendas parlamentares impositivas, que os deputados podem indicar para obras e projetos em seus redutos eleitorais. Ambos foram revelados pelo Metrópoles.

O primeiro projeto, que eleva de R$ 23 mil para R$ 34,5 mil o salário do governador, considerado o teto do funcionalismo paulista, provocará um efeito cascata nas demais carreiras públicas do estado. O lobby pela aprovação da proposta, apresentada pela Mesa Diretora da Alesp, é mais forte entre os auditores fiscais e os delegados de polícia. O impacto estimado nos cofres do estado é de R$ 1,5 bilhão. Os deputados tentaram aprovar o texto duas vezes na semana passada, mas não houve quórum na votação em plenário.

Já o segundo projeto, uma uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), é de interesse de praticamente todos os 94 deputados. Ele aumenta de R$ 6,6 milhões para R$ 13,2 milhões o valor das chamadas emendas impositivas, que são indicações de obras e ações feitas pelos parlamentares que o governo é obrigado a pagar. Caso seja aprovada, a PEC eleveria de R$ 622 milhões para R$ 1,2 bilhão os gastos com emendas.

Ainda durante a campanha eleitoral, partidos da coligação de Tarcísio, principalmente o PL e o Republicanos, articularam para adiar a votação da PEC das Emendas para depois do segundo turno. Agora, o governador eleito irá negociar a aprovação da medida com os parlamentares durante a transição, e espera contar com a força do cargo que irá ocupar a partir de janeiro para negociar contrapartidas, como apoio aos projetos do governo na Alesp.

Transição

Coordenada pelo ex-ministro Guilherme Afif, que foi coordenador do programa de governo de Tarcísio na campanha, a equipe de transição se reúne pela primeira vez com o governador eleito nesta quarta-feira, no mesmo hotel na zona sul de São Paulo onde o governador eleito comemorou a vitória sobre o petista Fernando Haddad, no dia 30 de outubro.

Após o triunfo nas urnas, Tarcísio fez uma viagem de descanso com a família para Miami, nos Estados Unidos, e depois foi para Brasília resolver seu afastamento do cargo de consultor legislativo da Câmara dos Deputados, onde ingressou em 2015 por meio de concurso, para poder assumir o Palácio dos Bandeirantes. A reunião desta quarta-feira será fechada e a expectativa é de que Tarcísio só comece a anunciar seu secretariado na próxima semana.

 

0

Loteamento

Antes mesmo de iniciar a transição, Tarcísio já tem sido pressionado por partidos que o apoiaram no primeiro ou segundo turnos para lotear espaço no governo, formado por 23 secretarias e com mais de 23 mil cargos comissionados, de livre indicação.

Como mostrou o Metrópoles, o governador eleito pretende montar um núcleo duro no secretariado com nomes de sua confiança que trabalharam no governo de Jair Bolsonaro (PL), mas também entregará cargos a partidos que o apoiaram na campanha para formar maioria confortável na Alesp.

Partido do govervador eleito, o Republicanos pleiteia até três secretarias, com destaque para a pasta de Desenvolvimento Regional, que articula os convênios com as prefeituras. Já o PL está de olho na pasta da Segurança Pública, enquanto o PSD do vice Felício Ramuth pretende dominar o setor de transporte sobre trilhos. O União Brasil, por sua vez, tenta manter influência nas áreas da Habitação e Transportes.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comSão Paulo

Você quer ficar por dentro das notícias de São Paulo e receber notificações em tempo real?