Pató: Confeiteira Duda Patriota abre cafeteria na Asa Norte

O cardápio do novo endereço reúne opções doces e cafés especiais

atualizado 22/03/2021 16:28

Duda Patriota atrás do balcão da cafeteria. Na imagem também aparece a vitrine com alguns produtos que ela vendeFoto: Divulgação

“Uma confeiteira que decidiu abrir uma cafeteria.” É assim que Duda Patriota se define desde que resolveu embarcar na aventura de transformar o talento para fazer doces em um empreendimento. Na última semana, ela abriu as portas da Pató, um café charmoso que ocupa uma loja de esquina na 407 Norte. 

“A Pató surgiu com a proposta de juntar três conceitos: confeitaria, cafeteria e ambiente. Queremos valorizar a experiência do cliente por completo. Oferecer um local aconchegante, junto com a degustação de um belo cardápio de sobremesas e a qualidade de um café especial. Tudo isso, claro, com um atendimento afetivo, atencioso e personalizado”, explica Duda.

O espaço é um sonho antigo da confeiteira. Ela revela que “sempre quis ter uma cafeteria e trabalhar nesse tipo de ambiente”. Para alcançar o objetivo, em março de 2020 resolveu aprimorar os conhecimentos e se aventurar na confeitaria de forma profissional. De lá para cá, ela trabalhou apenas com encomendas e parcerias, como criações para a Ricco Burger. 

“Com a visibilidade nas redes sociais durante a quarentena e o aumento dos pedidos, senti a necessidade de um espaço maior. Foi quando nosso projeto aconteceu e tudo ganhou novos horizontes. Começamos a pensar a Pató considerando o cenário da pandemia, mas mirando o cenário pós-pandemia”, revela a empresária. Ela conta ainda que o espaço terá boa internet, pontos de energia, mesas individuais, condições para trabalhar à distância e de forma segura.

Duda Patriota, Rafael Poxete abaixado, Lu Improta e Natasha Cerpa em frente ao balcão da cafeteria Pató
A equipe da cafeteria é formada por Duda, Rafael Poxete (barista), Lu Improta (atendimento) e Natasha Cerpa (cozinha)
Assinado, Duda Patriota

O amor envolvido na concepção e criação do espaço aparece também no cardápio. Receitas afetivas que marcaram o processo de profissionalização de Duda têm destaque na casa. Exemplo disso é a linha de cookies da confeiteira. No cardápio existem quatro opções de sabores: amêndoas (R$ 14), avelã com chocolate (R$ 14), chocolate com amêndoas (R$ 14) e chocolate com café (R$ 14). 

Outra receita já conhecida que faz parte do menu é a Cheesecake com recheio de goiabada (R$ 25). A lista de opções de confeitaria conta ainda com Mi-cuit (R$ 22), um bolinho de chocolate francês, Bolo de banana com chocolate e avelã (R$ 13), Bolo de coco gelado (R$ 14) e pão de canela (R$ 10). Entre as sugestões salgadas está o queijo quente com geleia de cebola (R$ 20). 

Para beber, ela oferece diferentes tipos de cafés, como o Ristretto (R$ 6), o Espresso (R$ 6, normal; R$ 8, duplo) e o Coado da casa (R$ 8). Quem prefere bebidas mais elaboradas pode optar pelo Macchiato (R$ 8), Cappuccino (R$ 10) e também pelo Chocolate quente (R$ 11). 

O cardápio é sucinto, mas terá mudanças quando a abertura do salão estiver autorizada. “Fiz uma torta de crème brûlée que fez bastante sucesso. Porém, a logística para a entrega ficava um pouco complicada. Com a Pató, revisitei a receita e vamos disponibilizá-la por lá. Esse é um dos itens de que será exclusivo para consumo na loja”, relata Duda. “A ideia é testar várias outras receitas e interagir com o público. O bolo do dia, por exemplo, também já está garantido” completa.

E seguindo a linha dos cafés especiais, a Pató terá uma etiqueta exclusiva com o produto cultivado no sul de Minas Gerais. A escolha é de Monique Andrade, da Marama Coffee Co, que vai tocar a minitorrefação. Ou seja, quem quiser levar o blend da Pató para casa vai poder comprar os pacotinhos direto nas gôndolas. 

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

 

No meio da pandemia tinha um café!

A Pató abre as portas em meio ao  lockdown decretado no Distrito Federal. Assim, os primeiros passos da cafeteria são diferentes de inaugurações normais. “Vamos começar nossas atividades com a retirada no local, por meio da nossa janelinha. Ela é um espaço específico para isso”, conta Duda. 

A proposta é estimular o agendamento de horários, assim é possível oferecer mais segurança e tranquilidade aos clientes. A confeiteira adianta que a próxima etapa é passar a trabalhar também com o serviço de entrega. 

“Começaremos aos poucos, com a cautela que o momento exige, e testando todos os nossos produtos e serviços. Estamos fazendo a nossa parte para que possamos superar esse momento tão difícil o mais rápido possível. Tão logo a gente consiga, abriremos ao público. É a nossa maior ansiedade!”

Duda Patriota na Janelinha onde vai entregar os pedidos. Ela segura um copo de café e uma embalagem de doces
A janelinha foi pensada especialmente para o momento de lockdown
Homenagens

A família está presente em cada pedacinho do novo empreendimento da confeiteira. A loja leva o nomes dos avôs, Pat (in memoriam) e Tó. Da combinação nasceu o nome Pató, escrito pelas mãos do pai de Duda para a logo. 

“A minha relação com todos os meus avós sempre foi maravilhosa, repleta de carinho, boas histórias e muito aconchego. Hoje, só o vô Tó está entre nós. Quando estava pensando no nome da cafeteria, tentei uma série de homenagens e, na hora que montei Pató, fez muito sentido”, detalha Duda.

E continua: “É uma palavra bonita, alegre e, depois de pesquisarmos, descobrimos que no português antigo ela já significou ‘ponte’. E é isso que a Pató representa pra mim: uma ponte para o meu universo, por meio da conexão com os meus familiares”.

Por dentro 

O projeto da Pató é assinado pelo arquiteto e urbanista Matheus Carvalho. Na loja, ele desenvolveu um design que conversa com a vizinhança em tons e texturas. Dessa forma, o espaço aparece como uma continuação visual da quadra. 

“Na fachada usamos a paginação de tijolinhos, em referência às fachadas do bloco comercial, em tons mesclados de preto e branco como café com leite. Isso destaca a loja como nos painéis de ladrilhos de Athos Bulcão que revestem a escola-classe naquela superquadra”, explica Carvalho. Além disso, ele revela que usaram cores da vegetação, do terreno e dos blocos próximos no interior da loja.

Um toque especial foi a ideia de incorporar ao projeto os ladrilhos de tijolinhos descobertos na parede, cobertos por camadas de massa e pintura ao longo dos anos. “É um gesto que remonta à história daquele ponto e das iniciativas que já funcionaram ali.”

Serviço

Pató

407 Norte, Bloco B, Loja 17. Telefone: (61) 3542-0331. De terça a sábado, das 11h às 19h. Apenas retiradas.

Mais lidas
Últimas notícias