*

Em 1º de novembro é comemorado o Dia Mundial Vegano (World Vegan Day, em inglês). A data celebra a filosofia de vida que exclui da dieta e dos hábitos de consumo qualquer produto de origem animal. Isso significa deixar de comer carne, leite e derivados, ovos e cortar alguns corantes da alimentação, além de não comprar couro e cosméticos testados em animais.

Os adeptos à prática só aumentam – prova disso é o número de restaurantes especializados que vem surgindo para suprir a demanda. Brasília tem exemplares de comida vegana diferentes, como o churrasco do Apetit Natural, o cachorro-quente do Catioro e os inúmeros doces da confeitaria Cannelle.

 

Para quem não conhece muitos estabelecimentos com a proposta em funcionamento na capital, ou deseja comemorar a data veganizando, listamos sete locais que valem a pena conhecer:

Reprodução/Facebook

A fachada da casa fica virada para a rua, no bloco B da comercial 407 Norte

Apetit Natural
Além de food truck, agora tem restaurante (407 Norte). No local, o self-service do almoço custa R$ 39,90 o quilo. São servidas saladas, feijoada, moqueca, bobó, bifes, coxinha de jaca, arroz, massas e  estrogonofe. Já no caminhão, que normalmente funciona à noite, são vendidos sanduíches veganos.

407 Norte, Bloco B

Divulgação

Em breve, a Faz Bem deve lançar um petiscão unindo várias receitas da casa

Faz Bem
A casa vegana foi aberta em 2014 com o propósito de oferecer cozinha rápida. Na hora do almoço, há um prato para cada dia da semana. Na lanchonete, servem opções de sanduíche. O estabelecimento conta com happy hour e vários petiscos de quinta a sábado

407 Norte, Bloco E, Loja 59, 3447-8112

Canelle
Imagine uma confeitaria completa onde tudo – ou quase tudo – é permitido. A Canelle, especializada em produtos veganos e vegetarianos, substitui leite, ovos e manteiga por leite de coco, de amêndoas e cremes vegetais. A vitrine tem chocolates amargos, bombons recheados, brigadeiro de biomassa de banana verde, tarteletes, e versões mais saudáveis de bolos caseiros, sorvetes e tortas. A maioria das receitas leva açúcar demerara.

213 Norte, bloco A, loja 23

Villa Vegana
Com janelas enormes abertas para o verde, o local combina cozinha criativa e harmônico uso de condimentos. Por R$ 34, é possível se servir à vontade. O cliente encontra receitas como o quibe recheado com tofu e discos de vegetais.

Clube Amygo de Brasília (Setor de Clubes Esportivos Sul)

Felipe Menezes/Metrópoles

Catioro
O cardápio não é muito extenso, mas consegue ser bem versátil. São apenas quatro opções: todas veganas. Um dogão clássico, na chapa ou ao molho; um de estrogonofe de couve-flor, um caipira, com direito a vinagrete, e um com carne de jaca. Cada sanduíche custa R$ 10.

208 Norte e Estação Águas Claras

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Falafel em diferentes versões: bolo frito e sanduíche

Yalla Falafel
Há quatro meses em operação na 208 Sul, o Yalla Falafel se apoia em preparos típicos da Síria, sem invencionice, mas com apuro técnico e respeito aos ingredientes. O Yalla não abraça o veganismo como causa. Entre as opções da casa, falafel, sanduíche, pastinhas, pão sírio tostado com zátar e diversas outras comidinhas árabes.

208 Sul, Bloco A, Loja 34

Buriti Zen
“A forma mais prática de conhecer a agroecologia é comendo”, afirma a chef vegana Ana Paula Boquadi, comandante da casa. O trabalho do restaurante é totalmente voltado ao mundo orgânico e os produtos são o mais regionais possível. A mutamba, um dos frutos oriundos do extrativismo agroecológico, aparece no nhoque e em outras preparações. O cardápio é rotativo, sendo atualizado sempre pelas redes sociais. Nenhuma das receitas leva soja.

Acampamento Rabelo, Rua Brasília, Casa 7, Vila Planalto



 

COMENTE