Amazon proíbe venda de livros sobre “cura gay” nos Estados Unidos

A gigante do comércio online julgou tema inadequado. Grupos conservadores cristãos protestam contra proibição nos EUA

Smith Collection/Gado/Getty ImagesSmith Collection/Gado/Getty Images

atualizado 13/09/2019 13:10

A Amazon, gigante do comércio online, baniu em sua plataforma a venda de livros sobre a chamada “cura gay”, terapia que promete mudar a orientação sexual de pessoas atraídas por outras do mesmo sexo. O “tratamento” não tem embasamento científico junto a entidades de psicologia e é considerado inadequado pela maioria dos profissionais da área. A homossexualidade deixou de ser considerada doença em 1990 pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em nota enviada ao jornal Folha de S. Paulo, a Amazon justificou que “como vendedores de livros, fornecemos aos nossos clientes acesso a uma variedade de pontos de vista, incluindo livros que alguns clientes podem achar desagradáveis. Reservamos o direito de não vender determinados conteúdos, como pornografia ou outros conteúdos inadequados”, afirmou a loja.

A ausência de livros de autores como Joseph Nicolosi (1947-2017), um dos principais defensores da terapia, despertou a ira de grupos conservadores cristãos nos Estados Unidos, que acusam a Amazon de censura. Um abaixo-assinado criado pelo grupo Voice of the Voiceless (Voz dos Sem Voz) no site Change.org espera atrair 25 mil assinaturas contra a medida.

Tony Perkins, presidente do Family Research Council e lobista em Washington, disse que a Amazon quer “silenciar aqueles de nós que deixaram o estilo de vida LGBT”.

No cinema

A “cura gay” tem sido tema recente de filmes em Hollywood, sempre com enfoque em jovens forçados a participar desse tipo de terapia. Boy Erased: Uma Verdade Anulada (2018), baseado no livro de memórias de Garrard Conley, acompanha o filho de um pastor batista submetido ao tratamento em um acampamento evangélico.

Em O Mau Exemplo de Cameron Post (2018), ambientado nos anos 1990, a adolescente Cameron (Chloë Grace Moretz) também é obrigada a participar de um processo de “conversão”.

Últimas notícias