Tinta usada para pintar faixas de pedestres será periciada pela PCDF

O Detran acionou a polícia para saber se o material entregue por fornecedor é o mesmo descrito no contrato de prestação de serviço

Michael Melo/MetrópolesMichael Melo/Metrópoles

atualizado 03/10/2019 18:29

O Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) acionou o Instituto de Criminalística da Polícia Civil do DF para que seja feita perícia nas tintas utilizadas na sinalização horizontal das vias urbanas da capital do país. A direção do órgão tem estranhado a pouca durabilidade da pintura das faixas de pedestres.

O objetivo é certificar se o colorante empregado é exatamente o mesmo descrito no contrato de prestação de serviço com a empresa fornecedora do material. A previsão da PCDF é que o resultado da avaliação fique pronto em 35 dias.

A medida determinada pelo Detran-DF vem após diversas batidas e atropelamentos perto de faixas de pedestres apagadas. No último dia 19, o Metrópoles revelou que, dos R$ 371.217.270,60 arrecadados pela autarquia entre janeiro e agosto de 2019, apenas R$ 4.041.521,14 foram destinados à sinalização horizontal e vertical.

Em outras palavras, a autarquia repassou à pintura das passagens e demais itens necessários à segurança nas vias de Brasília apenas 1,07% da verba pública, financiada por multas e pagamento de serviços.

Diante do quadro, o governador Ibaneis Rocha (MDB) determinou o cancelamento da Semana de Conscientização do Trânsito. O órgão pretendia inciar uma série de eventos, mas, de acordo com o núcleo duro do governo, o emedebista não quis saber de festa enquanto o número de acidentes continuar a subir, especialmente perto das travessias.

No mês de setembro de 2019, o Detran revitalizou 334 faixas de pedestres em várias regiões administrativas do Distrito Federal. Desde o início deste mês, o Departamento informou que atua com um cronograma que prioriza travessias próximo a escolas, hospitais, terminais rodoviários e locais de grande circulação de pessoas. O trabalho resultou em cerca de 2 mil faixas sinalizadas em todo o DF de janeiro até esta quinta-feira (03/10/2019).     

Multas

Demonstrativo de Despesa e Receita do Detran, publicado no site da autarquia, mostra que, ao longo de 2018, foram investidos R$ 7.930.277,24 na restauração da sinalização horizontal. O DF tem 3.770 faixas de pedestres e, pelas contas da autarquia, 1.827 delas foram revitalizadas neste ano. Segundo o departamento, entre janeiro e junho de 2019, 9.816 motoristas foram multados por não parar no local quando algum pedestre fez o “sinal de vida”.

No mesmo período do ano passado, 7.006 infringiram a passagem de segurança. Percentualmente, é um aumento de 40%. Em 2019, uma pessoa morreu atropelada na faixa. Em 2018, foram duas.

No dia 16 de setembro, uma estudante de 13 anos foi atropelada na faixa em frente ao Centro de Educação Infantil 210 de Samambaia. A menina foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF) e pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Já no último dia 21, um menino de 6 anos foi arremessado após ser atropelado em uma faixa de pedestre em Vicente Pires. A criança atravessava a rua com o pai e o irmão, quando correu em direção à escola na qual estuda, na Rua 6, e acabou atingida por um carro.

atropelamento foi registrado em imagens capturadas por câmera de segurança do colégio. O porteiro da escola prestou os primeiros socorros à criança, que caiu no chão com o impacto. O motorista do automóvel parou após a batida e ficou no local.

O outro lado

Na época da publicação da reportagem, o Detran disse ter concluído o georreferenciamento de todas as faixas de pedestres do DF. O mapeamento permite, segundo o órgão, melhor acompanhamento da revitalização da sinalização horizontal. (Com informações do Detran-DF)

Confira os vídeos do atropelamento da estudante em Samambaia:

Confira o vídeo da criança atropelada em Vicente Pires:

 

Últimas notícias