Faixa de pedestre: Detran-DF usou 1% do que arrecadou com sinalização

Depois do atropelamento de uma menina em uma passagem, Ibaneis mandou suspender eventos da autarquia até a pintura de todas travessias

Michael Melo/MetrópolesMichael Melo/Metrópoles

atualizado 18/09/2019 20:09

O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) arrecadou R$ 371.217.270,60 entre janeiro e agosto de 2019. Desse total, foram investidos em sinalização horizontal e vertical, incluindo faixas de pedestre, R$ 4.041.521,14. Em outras palavras, a autarquia destinou à pintura e sinalização das passagens e demais itens necessários à segurança nas vias de Brasília apenas 1,07% da verba pública, financiada por multas e pagamento de serviços.

Diante desse quadro, o governador Ibaneis Rocha (MDB) determinou o cancelamento da Semana de Conscientização do Trânsito. O órgão iria começar uma série de eventos nesta quarta-feira (18/09/2019), mas, de acordo com o núcleo duro do governo, o emedebista não quer saber de festa enquanto o número de acidentes continuar a subir, especialmente perto das travessias.

“Enquanto o Detran não pintar todas as faixas, não quero nenhum tipo de conversa. Muito menos comemoração”, esbravejou o governador a membros do 1º escalão do Palácio do Buriti. A irritação de Ibaneis tem motivo: há cerca de um mês o chefe do Executivo local já havia cobrado a pintura e iluminação com lâmpadas de LED de todas as passagens.

Multas

Demonstrativo de Despesa e Receita do Detran, publicado no site da autarquia, mostra que, ao longo de 2018, foram investidos R$ 7.930.277,24 na restauração da sinalização horizontal. O DF tem 3.770 faixas de pedestres e, pelas contas da autarquia, 1.827 delas foram revitalizadas neste ano. Segundo o departamento, entre janeiro e junho deste ano, 9.816 motoristas foram multados por não parar no local quando algum pedestre faz o “sinal de vida”.

No mesmo período do ano passado, 7.006 infringiram a passagem de segurança. Percentualmente, é um aumento de 40%. Neste ano, uma pessoa morreu atropelada na faixa. Em 2018, foram duas.

Na manhã de segunda-feira (16/09/2019), uma estudante de 13 anos foi atropelada na faixa em frente ao Centro de Educação Infantil 210 de Samambaia. A menina foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF) e pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Testemunhas denunciaram:  “Olha o perigo, a faixa está completamente apagada”. E a bronca não parou por aí: “Já fizemos vários alertas, mas o governo e o Detran (Departamento de Trânsito) não tomam nenhuma providência”.

Já no último dia 21, um menino de 6 anos foi arremessado após ser atropelado em uma faixa de pedestre em Vicente Pires. A criança atravessava a rua com o pai e o irmão, quando correu em direção à escola na qual estuda, na Rua 6, e acabou atingida por um carro.

atropelamento foi registrado em imagens capturadas por câmera de segurança do colégio. O porteiro da escola prestou os primeiros socorros à criança, que caiu no chão com o impacto. O motorista do automóvel parou após a batida e ficou no local.

Outro lado

Segundo o Detran, foi concluído o georreferenciamento de todas as faixas de pedestres do DF. O mapeamento permitirá melhor acompanhamento da revitalização da sinalização horizontal. Do ponto de vista do departamento, muitas delas ainda estão bem conservadas, no entanto, a sinalização é encoberta por poeira, resíduos de pneus e fumaça. Nas palavras do órgão de fiscalização, “isso acaba deixando-as com aspecto de apagadas”.

“Os condutores precisam se conscientizar sobre os riscos de acidentes próximo às faixas de pedestres, ficando atentos à sinalização vertical, pois mesmo que a pintura da pista não esteja muito visível, todas as faixas possuem placas de advertência demarcando o local”, argumentou o departamento, por nota. De acordo com a autarquia, o trabalho educativo de respeito ao pedestre na faixa foi intensificado.

Confira os vídeos do atropelamento da estudante em Samambaia:

Confira o vídeo da criança atropelada em Vicente Pires:

Últimas notícias