*
 

Depois do desabamento de parte do viaduto sobre a Galeria dos Estados e da garagem do Bloco C da 210 Norte na última semana, agora são rachaduras no térreo do Bloco A da 112 Sul que estão preocupando moradores do edifício e de autoridades. A fenda já existe há pelo menos sete anos, mas vem se abrindo mais do ano passado para cá.

De acordo com o subsíndico Alan Ricardo Saraiva, uma empresa de engenharia foi contratada para avaliar o local e não viu riscos de desabamento da estrutura. A Defesa Civil também esteve no prédio neste domingo (11/2), descartou maiores perigos para os moradores, mas aguarda o laudo do engenheiro.

O bloco foi construído em 1968. Há pelo menos 20 anos, ganhou um subsolo, que seria uma garagem, mas a ideia inicial acabou sendo abandonada.

O engenheiro Dickran Berberian explica que o solo foi mal compactado, o que pode ter causado o desnível.  “Esse é um problema do solo de Brasília, que é ruim. A fundação está boa”, afirma.

Ele destaca, porém, que infiltrações podem prejudicar a estrutura, caso não sejam sanados os problemas. A avaliação do subsíndico Alan Saraiva é que as obras comecem ainda este ano e devem custar R$ 500 mil, valor que deve ser rateado entre os moradores.

A presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea), Fátima Có, esteve no local para ver a rachadura e voltou a criticar a falta de uma legislação que obrigue a manutenção em prédios do DF.

 

 

COMENTE

112 sulrachaduras
comunicar erro à redação

Leia mais: Distrito