*
 

O governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), tinha escolhido, até a noite dessa terça-feira (4/12), 45 chefes e subchefes para a gestão que começa em 1º de janeiro de 2019. Entretanto, ainda falta a definição a respeito das fundações, Agência de Fiscalização do DF (Agefis) e Transporte Urbano do DF (DFTrans), entre outros órgãos.

Os últimos anunciados foram os futuros secretários de Transportes, Valter Casimiro, e do Entorno, Paulo Roriz. Casimiro é o atual ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil. Sobrinho do ex-governador Joaquim Roriz, Paulo, que deu apoio a Ibaneis desde o início das eleições, voltará ao cargo o qual ocupou em 2005.

A expectativa é de aumentar a quantidade de secretarias. Até agora, Ibaneis anunciou 23, duas a mais que a estrutura atual, e ainda deve ampliar o quadro. Uma das possibilidades cogitadas pela transição é manter a Secretaria de Mobilidade, mesmo tendo uma de Transportes.

A Secretaria de Turismo poderá virar empresa ou agência. Uma indicação que tem sido ventilada é do atual secretário de Turismo, Jaime Recena, que permaneceria no posto se a decisão fosse exclusiva do futuro governador. No entanto, dentro da equipe de transição, houve rejeição do nome de Recena por aliados importantes de Ibaneis.

Apesar de Ibaneis ter dito que criaria uma Secretaria do Idoso, a pasta pode se juntar com a da Criança e do Adolescente e a de Igualdade Racial para virar a de Desenvolvimento Social.

Membros do primeiro escalão
Perfil comum entre os que preencherão as vagas na administração direta e indireta é a ligação com o governo federal e o presidente da República, Michel Temer (MDB). Além disso, Ibaneis deu destaque para bacharéis em direito.

Confira quem foi anunciado até agora:


Acéfalos
O governador eleito ainda precisa definir também quem comandará o Serviço de Limpeza Urbana (SLU), o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-DF), a Agência Reguladora de Águas e Saneamento (Adasa-DF) e o Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores (Inas-DF).

Faltam também os presidentes da Companhia Habitacional (Codhab) e da Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília (TCB). Estão também acéfalas as seis fundações da capital da República: de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap); de Apoio à Pesquisa (FAP); Hemocentro de Brasília (FHB); de Ensino e Pesquisa em Ciência da Saúde (Fepecs); Universidade Aberta do Distrito Federal (Funab); e Jardim Zoológico de Brasília.