Lázaro obrigou refém a fazer declaração de amor para a mulher

Maníaco pediu para caseiro se declarar à companheira enquanto os dois eram amarrados. Ele fez mulher cozinhar e roubou pertences da casa

atualizado 19/06/2021 21:48

Lázaro Barbosa, suspeito de triplo homicídio no DFReprodução

Procurado pelas forças de segurança desde a chacina no Incra 9, em Ceilândia, na madrugada de 9 de junho, Lázaro Barbosa, 32 anos, chegou a obrigar um refém a fazer uma declaração de amor para a mulher. Na ocasião, Lázaro invadiu a casa, rendeu a família, amarrou os moradores e roubou pertences da casa.

Segundo o caseiro da chácara, Joberson Sousa de Jesus, 29 anos, o suspeito perguntou há quanto tempo ele e a mulher, Simone Silvo e Silva, 29 anos, estavam juntos. Em seguida pediu para que o marido se declarasse para a mulher, enquanto os dois eram amarrados juntos.

“Quando a gente falou que era casado há 10 anos, ele disse ‘faz uma declaração para sua mulher’, eu disse que não era bom com as palavras, mas ele mandou eu começar a declaração com ‘eu te amo'”, contou o caseiro ao Metrópoles.

O casal e seus três filhos, de 3, 6 e 10 anos, foram mantidos reféns por cerca de três horas na noite seguinte à chacina na Fazenda Vidal. Joberson contou que a família fechou a casa para dormir, mas a luz acabou às 20h30. “Nós achamos estranho, a luz acabou só aqui. Quando a luz voltou nós ficamos mais tranquilos.”

O caseiro relatou que o homem chutou a porta e entrou na casa para roubar a família. “Procurou dinheiro, arma, e queria que eu fizesse comida pra ele, fez a gente beber cerveja com ele também”.

Simone conta que o homem chegou bem nervoso, mas quando viu que a família estava assustada e que iria colaborar, se acalmou. “É pesado demais passar por isso. Muito angustiante. Todo momento nós achávamos que seria nosso último suspiro”, conta.

Joberson contou, emocionado, que a família fez o possível para que saíssem vivos do lugar, mas que nunca irão esquecer o ocorrido. “Se a gente é adulto e esse episódio não sai da nossa cabeça, imagina como isso tá na cabeça das crianças. Eles nem querem ficar aqui em casa mais”, contou o pai.

Pedido de perdão

Segundo Simone, ao sair da chácara cerca de 0h, Lázaro pediu desculpa para a família. “Ele disse ‘vocês me perdoam gente'”. A mulher afirma que Lázaro estava sóbrio e ciente de tudo que fazia.

Durante o assalto, Lázaro contou para a família que a Polícia estava perdendo tempo o procurando, que ele não estava com Cleonice Marques. “Ele disse que não assaltou a casa sozinho. Só matou o pessoal porque eles reagiram, mas não estava com a Cleonice”, afirmou Simone.

Personalidade

Subjugar e humilhar os homens, além de provocar pânico e satisfazer os desejos sexuais mais lascivos durante os estupros, são sentimentos que movem o psicopata Lázaro Barbosa Sousa. O perfil da personalidade do maníaco foi traçado pela psiquiatra forense e professora da Escola Superior da Polícia Civil (ESPC) do Distrito Federal Conceição Krause, durante entrevista concedida ao Metrópoles.

O criminoso, que há 11 dias é alvo da maior caçada policial já ocorrida no Entorno do DF, foi classificado pela especialista como um homem com sinais de psicopatia que o impedem de sentir amor, compaixão, carinho, afeto ou qualquer tipo de empatia pela vida humana.

“Ele é desprovido de qualquer ética moral. Fica claro que Lázaro trata a vida humana como simples objeto utilitário. Usa a vítima para alcançar um objetivo determinado ou satisfazer um desejo. Depois descarta, muitas vezes, de forma fatal. Estupra e mata para se alimentar do pânico que isso provoca na vítima”, assinala Conceição Krause.

Plano de fuga

Em coletiva de imprensa na noite desta sexta-feira (18/6), o secretário de Segurança de Goiás, Rodney Miranda, comentou as buscas ao maníaco Lázaro Barbosa, 32 anos. De acordo com o chefe da pasta, a habilidade do criminoso em andar pela mata dificulta o trabalho policial. “Ele está na zona de conforto e continua num plano ensandecido de fuga”, disse.

Rodney Miranda também afirmou achar que homens da Força Nacional não serão mais enviados ao município de Edilândia (GO), onde as buscas ao suspeito se concentram. “Acho que eles não vêm mais”.

Ainda de acordo líder da força-tarefa, Lázaro foi visto novamente, mas conseguiu escapar. “Cheguei a ver o Lázaro a 1 quilômetro de distância. As equipes estão lá”. Rodney destacou que, agora, a coalizão trabalha mais com inteligência do que com número de homens envolvidos na operação. “Agora é mais inteligência do que movimentação”.

Ferido

O secretário disse que tudo indicava que Lázaro foi baleado em confronto com a coalizão formada para capturá-lo e, desde então, tenta estancar o sangue com torniquete improvisado. “Esse torniquete e esse pano foram encontrados pelos cães. Por isso achamos que ele está amarrando o ferimento, que deve estar sangrando”, disse o secretário de Segurança de Goiás, nessa quinta (17).

Lázaro é suspeito de ter cometido vários crimes no Distrito Federal, incluindo a chacina de uma família, e em outros estados. As polícias do DF e de Goiás montaram uma força-tarefa para encontrá-lo.

Troca de tiros

A força-tarefa trocou tiros com o maníaco na tarde dessa quinta, após ele ser visto nas proximidades da casa do pai. Dezenas de policiais civis e militares, além de viaturas e três helicópteros, foram mobilizados na operação.

O homem, descrito pelas autoridades como extremamente perigoso, foi visto na cidade de Girassol (GO), próximo à casa do pai dele, enquanto se escondia embaixo de um cobertor. Testemunhas relataram que o maníaco estava com uma mochila, mancava e simulava ser um mendigo. Quando avistou a polícia, Lázaro teria corrido para um córrego perto de onde foi visto.

“Vim deixar uma colega minha do lado da casa do pai do Lázaro e fui ver o que estava acontecendo. Vimos o suspeito dentro de uma casa, agachado. Ele desceu para o córrego. Houve mais de 30 tiros. Disparos de metralhadora”, relatou o vigilante Alexandre Augusto, que estava no local.

Também na quinta, Eva Maria de Sousa, mãe do suspeito da chacina, pediu que ele se entregasse: “Se você estiver me ouvindo, me faça o favor de se entregar”. Eva afirmou que o filho precisa esclarecer tudo o que vem sendo dito sobre ele nos últimos dias. “Se entregue para esclarecer mentiras e verdades que estão contando”, falou a mulher.

0
Chacina

As digitais de Lázaro foram encontradas na casa da família Vidal. Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15, teriam sido mortos por ele a tiro e facadas. O crime ocorreu na madrugada do dia 9/6, no Incra 9, em Ceilândia.

Ele ainda sequestrou Cleonice Marques de Andrade, 43 anos, esposa de Cláudio e mãe das outras vítimas. O corpo dela foi encontrado no dia 12, em um matagal. O cadáver estava sem roupa e com um corte nas nádegas, em uma zona de mata perto da BR-070.

A morte de Cleonice reflete a crueldade de Lázaro. O criminoso, autor da chacina que tirou a vida do marido e dos dois filhos da mulher, permanece foragido há nove dias. O maníaco matou a mulher com um tiro na cabeça.

Desde que matou a família Vidal, Lázaro vem entrando e saindo de propriedades, fazendo novas vítimas. Ainda no Incra 9, em Ceilândia, ele invadiu outros dois locais. Em Goiás, ele tem se escondido na região entre Girassol, Edilândia e Cocalzinho, Entorno do DF.

Família Vidal:

0
Carta

Policiais que integram as forças de segurança empenhadas na captura do maníaco encontraram uma carta abandonada no local onde o criminoso teria usado como esconderijo durante algum tempo, na região de Edilândia, em Goiás. No interior do local, as equipes notaram, sobre a mesa, uma folha de papel A4 com um texto escrito à mão.

A carta, redigida em tinta de caneta esferográfica vermelha, discorre sobre quem tem o direito de morrer ou de viver. “Muitos que vivem merecem morrer, alguns que morrem merece (sic) viver”, diz o texto. O material foi apreendido e levado para perícia. Os policiais investigam se Lázaro escreveu ou apenas carregava o manuscrito, que replica algumas falas de um personagem da trilogia Senhor dos Anéis.

Ficha criminal

A vida criminal de Lázaro começou em 2008. Na época, ele foi preso por um duplo homicídio em Barra do Mendes, município baiano que fica a 540 km de Salvador. Ele é natural da cidade.

Segundo a Polícia Civil baiana, o criminoso foi indiciado pelos assassinatos de José Carlos Benício de Oliveira e Manoel Desidério Silva, no povoado de Melancia. O inquérito, concluído e enviado à Justiça, aponta que ele atingiu as vítimas com disparos de espingarda e depois fugiu, apresentando-se dias depois na unidade policial. Após a prisão, ele acabou fugindo para o Centro-Oeste.

No DF, chegou a ser condenado por roubo e estupro. Mas, também, conseguiu fugir do sistema penitenciário em 2016.

A capacidade de fuga de Lázaro  já é velha conhecida da polícia e do sistema prisional goiano. Em julho de 2018, ao tentar escapar junto de outros cinco detentos do presídio de Águas Lindas (GO), no Entorno do Distrito Federal, ele foi o único que obteve êxito.

Lázaro foi preso no dia 8 de março de 2018, por suspeita de assassinatos ocorridos na Bahia, além de estupro, roubo e porte ilegal de armas no DF. Ele tinha, na época, três mandados de prisão em aberto.

A ausência dele entre os internos do presídio de Águas Lindas só foi sentida no momento de recontagem dos detentos, após a ação policial no local. No entanto, a essa altura, ele já estava longe.

A fuga ocorreu durante a madrugada, por volta das 2h, de 23 de julho de 2018, segundo a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária de Goiás (DGAP).

Personalidade violenta

Laudo psicológico feito no âmbito de um dos processos contra Lázaro Barbosa, em 2013, constatou que o homem tem características de personalidade violenta, como agressividade, ausência de mecanismos de controle, dependência emocional, impulsividade e instabilidade emocional.

Ainda de acordo com os psicólogos que assinam o documento ao qual o Metrópoles teve acesso, o criminoso tem possibilidade de “ruptura do equilíbrio, preocupações sexuais e sentimentos de angústia”.

O autor, segundo os especialistas, teve o desenvolvimento psicossocial prejudicado devido a agressões familiares, uso abusivo de álcool e drogas, falecimento familiar, abandono das atividades escolares, trabalho infantil e situação financeira precária.

Veja imagens das buscas a Lázaro:

0
0

Veja mais imagens da caçada ao maníaco:

0
0

Últimas notícias