Hospital de Campanha do Mané Garrincha recebe mais 15 pacientes do Hran

Agora, já são 20 pessoas contaminadas pelo coronavírus que estão sendo tratadas na estrutura montada no estádio

atualizado 24/05/2020 10:15

LImpeza e finalização da obra do hospital de campanha no estádio Mané garrinchaIgo Estrela/Metrópoles

O Hospital de Campanha instalado no Estádio Nacional Mané Garrincha recebeu mais 15 pacientes contaminados por coronavírus nesse sábado (23/05). Eles foram transferidos do Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Na sexta-feira (22/05), outros cinco chegaram à unidade. Os 20, segundo a Secretaria de Saúde, são atendidos em leitos com suporte avançado.

A pasta informou que o primeiro a chegar foi um aposentado de 72 anos. Com sinais de melhora e sem a necessidade de continuar usando antibióticos, ele foi um dos selecionados para atendimento no hospital do Mané Garrincha. Logo na entrada, conforme informou a Secretaria de Saúde, emocionou-se e elogiou as instalações: “Isso aqui é de primeiro mundo. Obrigado por terem me trazido para cá”.

A estrutura montada no estádio tem 197 leitos, sendo 173 de enfermaria adulto, mais 20 de suporte avançado e quatro de emergência. Até o momento, a Saúde já contratou 123 profissionais de várias especialidades para atender no primeiro Hospital de Campanha a começar a funcionar no DF. A expectativa é chegar a aproximadamente 300 funcionários quando todos as vagas tiveram ocupadas.

O GDF fechou dois contratos emergenciais para colocar o hospital em funcionamento. O primeiro, no valor de R$ 79 milhões, foi firmado para o gerenciamento dos leitos, fornecimento de insumos e equipamentos hospitalares e a contratação da equipe de saúde, formada por médicos, enfermeiros e farmacêuticos, entre outros profissionais da área.

0

Este contrato está sendo alvo de investigação. No dia 15 de maio, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) deflagraram a Operação Grabato, para cumprir mandados de busca e apreensão. A suspeita é de direcionamento no processo. Conforme a coluna Grande Angular revelou, em reportagem publicada no dia 30 de abril, o proprietário da empresa contratada pelo GDF para gerir os leitos do hospital do Estádio Mané Garrincha é acusado de peculato por, supostamente, ter causado dano ao erário no valor de R$ 1,3 milhão.

O segundo contrato, no valor de R$ 5,9 milhões, foi firmado para realizar as obras de adequação física do estádio ao padrão de um Hospital de Campanha. As mudanças incluíram a demolição de parte da estrutura, a instalação de um novo piso na área da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), de nobreak e de sistema I.T médico – um tipo de instalação elétrica exigida em alguns ambientes de assistência especializada.

Além disso, o contrato abrange redimensionamento do sistema de ar-condicionado, construção de postos de enfermagem e manutenção corretiva e preventiva durante o período de atendimento, bem como o processo de desmontagem que ocorrerá depois da pandemia.

De acordo com o último boletim da Secretaria de Saúde, divulgado no início da noite desse sábado (23/05), o DF registrou 6.248 casos da Covid-19. Do total de pacientes infectados, 3.410 estão recuperados e 95 evoluíram para óbito. Desses, seis eram residentes de cidades do Entorno, mas estavam internados em unidades de saúde da capital do país.

Nesse sábado, o governador Ibaneis Rocha (MDB) visitou o Hospital de Campanha que está sendo erguido na Papuda e anunciou uma outra unidade, na Penitenciária Feminina do DF.

Últimas notícias