Cobertura da Rodoviária do Plano será demolida para início da reforma

Obras serão iniciadas neste fimal de semana, segundo o governo. O prazo para conclusão é de 90 dias

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 03/07/2019 16:13

O Governo do Distrito Federal (GDF) anunciou que começará as obras de recuperação da plataforma superior da Rodoviária do Plano Piloto neste final de semana. A declaração foi dada pelo governador em exercício Paco Britto (Avante) após visita ao terminal, na tarde desta quarta-feira (03/07/2019).

A obra de recuperação será iniciada com a derrubada da cobertura das duas extremidades da plataforma superior. A demolição é necessária para que as equipes de engenharia tenham acesso às vigas internas da Rodoviária. As fissuras que geram o risco de desabamento estão justamente nessas estruturas.

“Todos nós temos que dar nossa parcela de sacrifício”, argumentou Paco Britto. Segundo o governador em exercício, a questão envolve a preservação de vidas.

O GDF pretende fazer a reforma por meio de contratação emergencial, sem passar pelo crivo de uma licitação normal. A princípio, o custo será de R$ 6 milhões, mas o governo argumentou que esse valor pode diminuir.

O prazo para a entrega da reforma é de 90 dias após o início da obra. Durante a vistoria, comerciantes reclamaram da diminuição de consumidores desde o começo da interdição. O trecho foi bloqueado pelo próprio governador na quarta-feira (26/06/2019).

Interdição

Desde a última quarta-feira (26/06/2019), o governador Ibaneis Rocha (MDB) determinou a interdição do trecho entre o Conic e o Conjunto Nacional devido ao risco de desabamento. O diretor da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), Francisco Ramos, disse que o contrato emergencial é justificado por causa da urgência. “Não é possível continuarmos nessa situação por muito tempo. Não será com um contrato comum, porque ele pode ter inúmeros recursos e variáveis que acabem prolongando os prazos de início e fim da obra.”

Basicamente, as áreas críticas do terminal estão distribuídas pelos setores Norte e Sul. Além do trecho interditado, outros 15 pontos apresentam fragilidades preocupantes. De acordo com Ramos, a Secretaria de Fazenda vai remanejar recursos para custear a reforma. O dinheiro inicialmente seria gasto em recuperação de obras de arte viárias, como pontes e viadutos.

“Vamos fazer a reforma dos 16 pontos de uma vez, porque os problemas podem evoluir e causar uma tragédia. Estamos falando de um local por onde passam muitas vidas”, assinalou. Diariamente, 600 mil pessoas circulam pelo terminal. A Novacap pretende concluir a obra de restauração em 90 dias após o começo dos trabalhos.

O GDF começou uma vistoria completa na Rodoviária. Por enquanto, segundo Ramos, todos os pontos monitorados estão estabilizados. A gestão de Ibaneis Rocha estuda a possibilidade de privatização do terminal por meio de uma parceria público-privada (PPP).

Fiscalização
O Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) pretende fiscalizar cada passo da contratação emergencial para a reforma da Rodoviária. A Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público (Prodep) começou a acompanhar a questão nessa terça-feira (02/07/2019).

Últimas notícias