Assassino de cadeirante deixou digitais em celulares roubados

Por meio de perícia nos aparelhos e de reconhecimento de testemunhas, polícia identificou suspeito, que é procurado

Reprodução

atualizado 31/10/2019 11:24

A Polícia Civil continua procurando Kleison Sales Araújo, conhecido como “Zebra”, que tem 37 anos. Ele é acusado de matar a tiro um cadeirante durante assalto a ônibus na BR-020, nessa terça-feira (29/10/2019). Os investigadores da 13ª Delegacia de Polícia (Sobradinho) chegaram ao suspeito após ele dispensar uma sacola de supermercado com celulares roubados dentro, às margens da rodovia. Em pelo menos dois aparelhos, os peritos encontraram as digitais do suspeito. Testemunhas reconheceram a foto dele na unidade da PCDF.

Interno do Centro de Progressão Penitenciária (CPP), onde cumpria pena, Kleilson tem oito passagens por roubo com emprego de arma de fogo; duas por formação de quadrilha; uma por corrupção de menores, entre outras. Ele havia saído para trabalhar às 6h30 dessa terça-feira (29/10/2019) e devia ter retornado às 18h30. Nesse intervalo, cometeu o latrocínio (roubo seguido de morte) e, depois, fugiu. Foram mais de 24 horas de buscas, com mobilização de todas as equipes policiais da unidade.

Investigadores da 13ª Delegacia de Polícia pediram a prisão preventiva do suspeito, que permanecia foragido até a última atualização deste texto. A polícia desconfia que o criminoso tenha fugido do Distrito Federal. Ele é natural da cidade de Esperantina, no Piauí.

Marcílio Pereira seguia para uma igreja católica no Plano Piloto quando o bandido entrou no veículo, na BR-020, altura de Sobradinho, e anunciou o roubo. Ele reagiu agarrando as pernas do suspeito e levou um tiro no peito. Logo em seguida, o presidiário fugiu do local com a ajuda de um comparsa, que o esperava na rodovia, em uma motocicleta.

De acordo com o delegado-chefe da 13ª DP, Hudson Maldonado, Kleilson estava preso após ter sido condenado por crime de receptação. “Além disso, ele já tinha oito passagens por roubo com emprego de arma de fogo, duas por formação de quadrilha, uma por receptação, uma por corrupção de menores e a última por posse de drogas”, explicou.

Vários passageiros que estavam no coletivo confirmaram que Kleilson foi o responsável por abrir fogo e matar o cadeirante. Além disso, a Polícia Civil confirmou a existência de impressões digitais do suspeito em um dos aparelhos celulares que foram roubados na ação criminosa e depois recuperados pelas autoridades.

Reação
Marcílio morreu após reagir a um assalto no ônibus da linha 640.2. Imagens da câmera de segurança de um outro coletivo, que vinha atrás, mostram o momento em que o homem acusado de efetuar o disparo desce do veículo. Na gravação, é possível ver Kleilson com um boné e uma sacola na mão, onde estariam os pertences roubados dos passageiros.

A família informou não ter sido a primeira vez que o cadeirante reagiu a um assalto. “A gente tentava falar, mas meu tio dizia que nunca ia deixar o assaltarem. Das outras vezes, os bandidos só bateram nele. Agora, não teve sorte”, contou uma sobrinha.

0

Marcílio, segundo a sobrinha, sofria de distúrbios mentais e morava com a irmã e a mãe, portadora de Alzheimer. De acordo com Jéssica, os familiares estão em choque com a notícia da morte do parente.

À reportagem, a moça descreveu Marcílio como um “tio amoroso que sempre quis cuidar da família”. “Ele tinha seus defeitos, como todo ser humano, mas era extremamente carinhoso e sentimental. Quando a gente brigava com ele, era o primeiro a chorar. Minha avó [mãe da vítima] está em choque, tem chorado o dia todo”, disse.

Veja o vídeo. O suspeito aparece a partir do segundo 52:

Violência em coletivos

Dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP) apontam que, somente nos primeiros nove meses de 2019, foram registrados 1.209 roubos ao transporte coletivo no Distrito Federal. A média é superior a quatro assaltos por dia. Na semana passada, um motorista que trabalhava na região do Sol Nascente, em Ceilândia, levou um tiro no rosto durante um roubo em plena luz do dia.

As câmeras de segurança do ônibus flagraram o momento em que Elson Ferreira, 29, foi baleado no dia 23 de outubro. Os bandidos entram no veículo e logo atiram contra a vítima. Na imagem, é possível ver o clarão provocado pelo disparo.

Segundos depois, o condutor perde o controle do coletivo e bate em um muro de uma chácara, localizada no Sol Nascente, em Ceilândia. Três suspeitos foram presos, incluindo um adolescente de 15 anos e o irmão dele.

Assista ao vídeo do assalto:

 

Últimas notícias