Tudo o que rola no universo dos famosos e da televisão, sob o olhar atento de Leo Dias e equipe.

Cristiana Arcangeli ganha liminar na Justiça contra a Herbalife

"Marcas e patentes existem para serem respeitadas", disse Cristiana Arcangeli

atualizado 18/12/2020 15:13

reprodução

A Herbalife e seus revendedores foram proibidos pela Justiça de produzir, importar, exportar, distribuir, vender, expor à venda e divulgar produtos que reproduzam ou imitem a marca Beautydrink, criada por Cristiana Arcangeli para sua marca de aliméticos (alimentos saudáveis +cosméticos), a Beautyin, pioneira no conceito de alimentos com colágeno no mundo.

A empresa também está impedida de usar a marca em campanhas de vendas, em seu website, redes sociais ou qualquer outro meio.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

A decisão do juiz Eduardo Palma Pellegrinelli foi proferida em função da ação movida pela empresária Cristiana Arcangeli, criadora e idealizadora da empresa Beautyin, fundada em 2009, que introduziu no Brasil uma linha de produtos de alimentação que possuem ativos e ingredientes com propriedades cosméticas, entre os quais a bebida Beautydrink.

Em sua petição, a empresária demonstrou que o Beautydrink foi amplamente divulgado por ela desde seu lançamento e por toda imprensa mundial, além dos 24 prêmios de inovação que recebeu.  A própria Herbalife, em 2016, demonstrou interesse em um co-branding, conforme ficou comprovado por troca de mensagens entre Arcangeli e o diretor financeiro da empresa na época.

“É fundamental acreditarmos que o que fazemos tem valor, e que as leis devem ser cumpridas. Inovar é preciso e respeitar o mercado, em uma concorrência leal, se faz cada vez mais necessário”, afirma Cristiana. Estranhamente, em 2018 a Herbalife lançou uma cópia do Beautydrink e passou a comercializar o produto, ignorando os registros de marca.

O escritório Pedro Abrão Advocacia, defensor dos direitos da empresa de Arcangeli, demonstrou também o uso irregular da publicidade nos moldes “antes e depois”, prática proibida na propaganda brasileira e promoção de concorrência desleal. A petição foi acompanhada de parecer técnico, que atestou a contrafação, de autoria do professor Luiz Otavio Pimentel, Presidente do INPI até 2019.

“Estar munida do parecer do especialista, professor Pimentel, nessa defesa torna nossa tese ainda mais sólida. Marcas e patentes existem para serem respeitadas. Inovar, criar negócios e empoderar pessoas são o maior movimento econômico do planeta. Acreditar que a Justiça está em prol dos criadores é motivador para seguir”, completa Cristiana”

A beautyin® e Cristiana Arcangeli, confiantes na lei e na Justiça brasileira, aguardam agora a decisão em caráter definitivo da PROIBIÇÃO da comercialização de produtos com a marca beautydrink® pela Herbalife.

Mais lidas
Últimas notícias