metropoles.com

Deputado aliado de Bolsonaro volta a criticar TSE e delegada da PF

Deputado Filipe Barros (PSL-PR) especula suposta “intenção” de membros do TSE em manter informações sobre ataque hacker à Corte sob sigilo

atualizado

Compartilhar notícia

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Filipe Barros – Cleia Viana – Câmara dos Deputados
1 de 1 Filipe Barros – Cleia Viana – Câmara dos Deputados - Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Investigado no inquérito que apura vazamento, pelo presidente Jair Bolsonaro, de dados supostamente sigilosos de uma investigação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o deputado federal Filipe Barros (PSL-PR) voltou a fazer críticas à Corte e a integrantes da Polícia Federal nesta segunda-feira (31/1).

Dias após vir à tona um relatório da PF acusando Barros de ter sido o responsável por vazar as informações a Bolsonaro, o parlamentar divulgou uma carta rebatendo a afirmação de que o presidente tenha divulgado dados sigilosos de um inquérito que investiga ataques hackers à Corte eleitoral.

Na nota, o deputado especula sobre supostos “interesses” em manter os dados de forma sigilosa. Ele diz que a delegada da PF Denisse Ribeiro, responsável por investigar o vazamento, não tem “conhecimento técnico da área de computação” e que foi “escolhida a dedo pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito no STF.

0

“Pergunto: o sigilo agora interessa a quem? Sigilo para que o povo brasileiro — o titular do poder, segundo nossa Constituição Federal — não saiba que tampouco a PF e o TSE conseguiram descobrir um ataque hacker nos sistemas da Justiça Eleitoral, durante todo o ano de 2018, ano das últimas eleições gerais? Por que um inquérito, que diz respeito à democracia brasileira, deve correr em sigilo passados 4 anos dos fatos sem ter chegado a nenhuma conclusão”, diz Barros.

Na carta, o parlamentar diz ainda ter recebido as informações por meio de um requerimento feito por ele à PF. Ele também reiterou o argumento da Advocacia-Geral da União (AGU) de que o sigilo dos documentos só foi decretado após ele receber as informações e compartilhar com Bolsonaro e outros deputados.

“O delegado da PF responsável pelo caso da invasão hacker ao TSE em 2018 (ano eleitoral) respondeu oficialmente compartilhando a íntegra do inquérito, sem nenhuma restrição” afirma Barros. “Portanto, não havia sigilo algum no inquérito policial encaminhado à Câmara dos Deputados, como quis desinformar a delegada da PF Denisse Ribeiro – delegada da Delegacia de Repressão a Crimes Ambientais e Patrimônio Histórico (sic), escolhida a dedo pelo ministro do STF/TSE”, diz o deputado.

Na última semana, o ministro Alexandre de Moraes determinou que Jair Bolsonaro prestasse depoimento presencialmente à PF sobre a divulgação dos dados. O presidente não compareceu, sob o argumento da Advocacia-Geral da União de que ele não teria essa obrigação, por ser investigado.

Barros foi o relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que tentava implementar o voto impresso no Brasil. O parlamentar participou da transmissão nas redes sociais, em 2021, na qual o presidente da República divulgou relatório com dados supostamente sigilosos da investigação do TSE.

Após os atos de 7 de setembro, Bolsonaro recuou nas críticas ao uso das urnas eletrônicas nas eleições deste ano. Depois de reiterados ataques e até mesmo ameaças de que a eleição não aconteceria, o presidente chegou a dizer que seria “quase impossível” ter fraudes nas urnas.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comIgor Gadelha

Você quer ficar por dentro da coluna Igor Gadelha e receber notificações em tempo real?

Notificações