Podemos se aproxima de Rodrigo Garcia, e MBL cogita deixar o partido

Partido de Sergio Moro não aceitou trocar Arthur do Val por outro integrante do MBL e tenta ganhar força para negociar com Rodrigo Garcia

A iniciativa do Podemos de colocar um expoente do partido para disputar o governo de São Paulo tem como objetivo ampliar o poder de negociação com o vice-governador Rodrigo Garcia, que concorrerá à sucessão de João Doria pelo PSDB.

Integrantes do Podemos avaliam que o partido ficou enfraquecido com a desistência de Arthur do Val e terá de se recolocar na disputa estadual para pleitear uma posição de destaque na chapa majoritária de Garcia.

A presidente do Podemos, Renata Abreu, e o ex-ministro Santos Cruz são nomes cogitados pelo Podemos para entrar na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes. A ideia é capturar uma parcela do eleitorado de Sergio Moro em São Paulo para ter maior poder de barganha no futuro, caso o projeto estadual não adquira tração para ir ao segundo turno.

A reaproximação com Garcia vinha sendo tratada antes do vazamento dos áudios sexistas que levaram à desfiliação de Arthur do Val. Na semana passada, o deputado estadual Rodrigo Gambale acertou a ida ao Podemos, mas com a condição de que a sigla reabriria negociações com o tucano. A direção do Podemos concordou com o pedido.

A estratégia do Podemos em São Paulo deverá levar à saída precoce de todos os integrantes do MBL. O grupo, que se filiou ao partido em 26 de janeiro, sugeriu o vereador Rubinho Nunes para entrar na disputa estadual, mas a direção do partido rejeitou a proposta.

O MBL dizia ter autonomia para formar a chapa majoritária do Podemos com base num termo que foi assinado com o partido no dia da filiação. Os integrantes do grupo, no entanto, reconheceram que a carta não teria efeitos jurídicos e que se tratava de um acordo de cavalheiros. A quebra do acordo será a razão alegada para o rompimento definitivo.

A desfiliação de todos os integrantes do MBL provocará mais um desgaste para a candidatura presidencial de Sergio Moro. O grupo vinha participando da formulação de estratégias de comunicação e de articulações políticas em favor do ex-juiz.

A parceria se concretizou publicamente quando Moro entrou na mira do Tribunal de Contas da União (TCU) e fez uma live ao lado do deputado federal Kim Kataguiri para divulgar o salário que recebeu durante o período em que trabalhou para a consultoria Alvarez & Marsal.

Na quinta-feira (3/3), dia que antecedeu a divulgação dos áudios de Arthur do Val, Moro participou de um painel on-line organizado pelo banco Credit Suisse e afirmou que o apoio do MBL seria mais relevante que o dos partidos nesta eleição.

1/9
Enquanto partidos se organizam em busca de alianças e de federações partidárias, nomes da política brasileira já são dados como certos nas eleições de 2022
Em São Paulo, maior colégio eleitoral do Brasil, já se fala em ao menos 10 pré-candidatos. Alguns já estão oficializados pelos partidos; outros, ainda não
Rodrigo Garcia (PSDB) – O vice-governador de São Paulo foi escolhido em novembro de 2021 para concorrer ao governo do estado pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB)
Fernando Haddad (PT) – Empasse entre PT e PSB – que buscam a criação de uma federação partidária – para a disputa de São Paulo ainda deixa incógnita. Enquanto o ex-governador Márcio França afirma que disputará o comando do estado, Gleisi Hoffmann, presidente do PT, defende a candidatura de Haddad
Márcio França (PSB) - O ex-governador reafirmou que, “apesar das especulações”, segue como pré-candidato do partido ao governo de São Paulo. No Twitter, França fez post afirmando que tem “projeto para SP e muito apoio”
Vinícius Poit (Novo) - O Partido Novo lançou o deputado como pré-candidato ao governo de São Paulo nas eleições de 2022
Abraham Weintraub (PMB)- O ex-ministro da Educação é o pré-candidato do Partido da Mulher Brasileira (PMB) ao governo de São Paulo
Tarcísio de Freitas (Republicanos) – O ministro de Infraestrutura confirmou que concorrerá ao governo de São Paulo pelo Republicanos. Ele fez uma publicação em seu perfil no Twitter informando sua filiação
Felício Ramuth, prefeito de São José dos Campos, concorrerá ao governo de São Paulo pelo Partido Social Democrático (PSD)

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.