Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

Moro admite possibilidade de trocar o Podemos pelo União Brasil

Aliados que conversaram com Sergio Moro dizem que ele confirmou a negociação para trocar de partido, mas ponderou que não há decisão tomada

atualizado 19/01/2022 16:17

Filiação de Sérgio Moro, ex-ministro da Justiça, ao PodemosRafaela Felicciano/Metrópoles

O ex-juiz Sergio Moro confirmou nesta semana, em conversas com aliados, que existem negociações para ele trocar o Podemos pelo União Brasil, o partido que surgirá da fusão entre o DEM e o PSL.

Moro acertou a filiação ao Podemos em novembro para disputar a Presidência. Pessoas que conversaram com o ex-juiz sobre o assunto dizem que ele ponderou que as tratativas com o União Brasil estão em curso e que nenhuma decisão foi tomada.

A razão para Moro trocar de partido seria financeira. Interlocutores no União Brasil afirmaram que o ex-juiz ficou assustado com o orçamento para fretar voos na campanha.

O Podemos precisa aumentar a bancada de deputados federais nesta eleição e teria limitações para financiar a campanha do ex-juiz. Já o União Brasil terá acesso a quase R$ 1 bilhão com a fusão dos fundos partidário e eleitoral. O orçamento será o maior do país.

A filiação de Moro ao União Brasil dependeria de um sinal positivo de ACM Neto, que preside o DEM e assumirá a secretaria-geral do partido. A ala do PSL é amplamente favorável à chegada de Moro.

A presidente do Podemos, Renata Abreu, tem recebido diversos telefonemas para falar sobre o assunto nos últimos dias. Segundo aliados, ela afirma que a estrutura do União Brasil ainda é uma incógnita e que considera difícil a saída de Moro, mas que não descartaria nenhuma possibilidade para o ex-juiz vencer a eleição.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
0

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna