Este é um espaço para celebrar a vida e as pessoas. Viaje comigo nesta aventura!

Rainha sentiu que a morte estava próxima e teve atitude final tocante

Uma fonte não identificada confidenciou ao tabloide britânico The Daily Beast que a rainha acionou um plano a fim de cumprir o último dever

atualizado 05/10/2022 14:22

Foto colorida. Mulher com chapéu e blusa azul claro. Ela segura um buquê Max Mumby/Indigo/Getty Images

Falecida rainha do Reino Unido, região composta por Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales, Elizabeth II não morreu por acaso em solo escocês, mais precisamente no Castelo de Balmoral. Uma fonte não identificada confidenciou ao tabloide britânico The Daily Beast que a monarca acionou um plano a fim de cumprir o último dever. O informante era amigo da majestade.

Elizabeth faleceu pacificamente, aos 96 anos, no último dia 8. Ao portal, o mensageiro disse que a rainha sentiu que a morte estava próxima e seguiu em frente com um plano para morrer na Escócia. “Ela se encontrava frágil e houve uma discussão de que deveria voltar a Windsor [na Inglaterra], onde é significativamente mais fácil obter tratamento hospitalar”, enfatizou a fonte.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

“Ela teve acesso a médicos em Balmoral, mas nada como em Windsor. Balmoral é muito isolada, mas é onde queria estar, precisamente porque achava que o fim poderia estar próximo. Ela planejou morrer na Escócia para salvar a união”, ressaltou a fonte.

Vale lembrar que a Escócia tentou se separar do Reino Unido em 2014. Na ocasião, houve um referendo e os cidadãos decidiram continuar no grupo. Entretanto, a primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, insistiu em fazer um segundo plebiscito recentemente. O historiador Tom Devine bateu na tecla que a morte da rainha ocorreu no país de “maneira consciente”.

“Eu não concordaria que ela [Elizabeth] planejasse falecer na Escócia, mas no caso de ser um presente de despedida da rainha para o país, era morrer lá, porque isso garantiu uma cobertura global massiva para a nação”, sustentou Devine. O motivo do falecimento da soberana mais longeva do Reino Unido foi revelado na última quinta-feira (29/9).

Segundo o atestado de óbito, Elizabeth morreu de causas naturais. O documento foi emitido pelo Registro Geral da Escócia. Nos últimos meses, a rainha enfrentou problemas de saúde e precisou adiar a presença em importantes eventos. Em junho, ela comemorou o Jubileu de Platina por completar sete décadas à frente do trono britânico. A soberana deixou quatro filhos – rei Charles, Anne, Andrew e Edward –, oito netos e 12 bisnetos.

Caixão da rainha Elizabeth II no Westminster Hall

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Mais lidas
Últimas notícias