Este é um espaço para celebrar a vida e as pessoas. Viaje comigo nesta aventura!

Princesa Latifa acusa o pai, governante de Dubai, de mantê-la presa

Amigos perderam o contato com Latifa há meses. A mulher de 35 anos acusa o pai de mantê-la em uma “casa transformada em prisão”

atualizado 17/02/2021 15:19

Princesa Latifa e Mohammed bin Rashid Al Maktoum@wanderingfinn/Reprodução/Instagram/Mike Egerton - PA Images/Getty Images

Não é a primeira nem a última vez que a princesa Latifa Al Maktoum vira alvo de manchetes. Filha do governante de Dubai, Mohammed bin Rashid Al Maktoum, a mulher de 35 anos acusa o pai de mantê-la refém em uma “casa transformada em prisão” sem acesso à assistência médica. Por meio de vídeos secretos enviados a amigos, ela afirmou ainda que teme pela própria vida. Gravado no banheiro da propriedade onde está detida, o conteúdo foi compartilhado no programa de documentário Panorama, da emissora BBC.

Em 2018, Latifa tentou fugir de barco de Dubai. A partida foi sem sucesso, pois o seu pai descobriu e enviou soldados altamente treinados para buscá-la. Eles a pegaram, drogaram e a levaram de volta a Dubai. O caso chegou à Organização das Nações Unidas (ONU) nesta semana. Há meses sem informações, amigos da princesa pedem intervenção da instituição intergovernamental. Com uma fortuna avaliada em bilhões, o xeque Mohammed é um dos chefes de Estado mais poderosos do mundo e vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos.

“Estou fazendo esse vídeo de um banheiro porque é o único cômodo com porta que posso trancar. Não posso trancar a porta para o meu quarto. Não há chave. Estou em uma vila. Sou uma refém e esta vila foi transformada em uma prisão”, contou Latifa nas imagens. Nas gravações, ela diz que convive com dois policiais dentro de casa e cinco fora. “Não sei quando eu vou ser libertada e em quais condições. Todos os dias eu me preocupo com a minha segurança e vida, não sei se vou sobreviver a esta situação”, completou.

Campanha Free Latifa
Amigos da princesa criaram a campanha Free Latifa (Latifa Livre, em tradução do inglês)

De acordo com a BBC, as mensagens pararam de chegar e, desde então, não se sabe o paradeiro de Latifa. Com a incessante súplica de amigos da princesa para a mediação da ONU, a ex-alta comissária da instituição da área de direitos humanos Mary Robinson se manifestou sobre uma ação internacional a fim de descobrir a condição atual de Latifa e sua localização. “Continuo muito preocupada com Latifa. A situação mudou. Por isso, acho que deve ser investigado”, defendeu Mary.

Em 2018, a ex-alta comissária da ONU chegou a conhecer a filha do xeque, inclusive a caracterizou como “um jovem problemática”. Ao tomar conhecimento do caso, Mary ressaltou ter sido “terrivelmente enganada” pela família da princesa. Os vídeos foram gravados ao longo de vários meses de um telefone, recebido pela vítima secretamente um ano após a sua captura e retorno a Dubai, conforme revelado no programa de documentário.

Em todos os momentos em que foram procurados, os órgãos competentes de Dubai e dos Emirados Árabes Unidos disseram que Latifa estava salva e sob os cuidados da família. A resposta vai de encontro ao conteúdo das gravações. Nas filmagens, a princesa descreveu parte da luta contra os soldados enviados por seu pai. Os militares a tiraram do barco após uma batalha de chutes e mordidas realizados pela futura refém. Um dos homens começou a gritar de dor após ter recebido uma dentada dela.

Princesa Latifa com a amiga Tiina Jauhiainen
Princesa Latifa com a amiga Tiina Jauhiainen. A instrutora de capoeira tentou ajudar a princesa

Os capangas a tiraram do barco e, em seguida, deram um tranquilizante. Ao perder a consciência, ela foi transportada em um jato particular e não acordou até chegar em Dubai. Quem revelou ao mundo o drama enfrentado pela princesa foram a amiga Tiina Jauhiainen, o primo materno Marcus Essabri e o ativista David Haigh. O trio está por trás da campanha Free Latifa (Latifa Livre, em tradução do inglês). Eles resolveram divulgar o conteúdo somente agora por se preocuparem com a segurança da vítima.

Plano de fuga

Ativistas de direitos humanos destacam que o sistema judicial do país costuma discriminar as mulheres. Latifa já havia tentado fugir das rédeas do pai aos 16 anos. A última tentativa foi planejada por muito tempo e contou com a colaboração do empresário francês Hervé Jaubert. Em 2018, colocaram a estratégia em ação. À época, a instrutora de capoeira da princesa, Tiina Jauhiainen também contribuiu com o plano.

Em 24 de fevereiro daquele ano, Latifa e Tiina pegaram um barco inflável e um jet ski a fim de alcançarem águas internacionais, onde Jaubert as aguardava em um iate de bandeira norte-americana. Passados oito dias, no litoral da Índia, a embarcação foi abordada por militares de Dubai. As duas mulheres se esconderam no banheiro abaixo do convés e ficaram diante da mira de uma arma. Os ajudantes da princesa só foram libertados após duas semanas de detenção. Segundo a BBC, o governo indiano nunca comentou o envolvimento no episódio.

Princesa Latifa com Mary Robonson da ONU
Latifa e Mary Robinson na reunião marcada após pressão para saber da condição da princesa, em 2018

Antes de tentar fugir em 2018, a filha do xeque deixou um vídeo gravado. A filmagem foi postada no YouTube após a sua captura. “Se você está assistindo a este vídeo, não é algo tão bom, ou estou morta ou em uma situação muito ruim”, disse. Ela acrescentou: “Ele me mataria para proteger a própria reputação”. O relato despertou a preocupação internacional e os Emirados Árabes Unidos precisaram prestar contas a respeito do paradeiro da princesa. Por esse motivo, marcaram uma reunião com Mary Robinson e, na ocasião, apresentaram um diagnóstico falso sobre Latifa ter transtorno bipolar.

Confira abaixo:

Antecedentes

Ao tomar conhecimento do caso nos últimos dias, Mary confessou: “Fiquei me sentindo enganada quando as fotos se tornaram públicas. Foi uma surpresa total. Fiquei absolutamente pasma”. Não é o primeiro imbróglio familiar do xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum. Em 2019, uma das mulheres do bilionário, a princesa Haya, fugiu para a Inglaterra com os dois filhos. Ela chegou a pedir à Suprema Corte da Inglaterra uma medida protetiva para mantê-lo distante. O tribunal votou a favor da mulher e definiu o político como “não-honesto”.

O xeque também é acusado de sequestrar ilegalmente a irmã mais velha de Latifa, a princesa Shamsa, em 2000. Ela tentou escapar do pai indo para o Reino Unido. A integrante da família real de Dubai não aparece em público há duas décadas. As duas são filhas do magnata com Houria Ahmed Lamara. De acordo com a BBC, os órgãos competentes não responderam às perguntas a respeito do paradeiro e da condição atual da princesa Latifa. “Sinto que ela gostaria que lutássemos por ela, e não desistíssemos”, reforçou Tiina Jauhiainen.

0
 Quem é o pai da princesa

Além de governante de Dubai e vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos desde 2016, Mohammed bin Rashid Al Maktoum é um dos grandes investidores do automobilismo. Atualmente, com 71 anos, ele é dono de 99,67% da Dubai Holding, empresa multinacional de serviços financeiros.  De acordo com um ranking da revista Forbes de 2019, o bilionário ocupa a quinta posição dos monarcas mais poderosos do mundo, com uma fortuna avaliada em R$ 26 bilhões.

Mohammed já estudou na Bell Educational Trust, na Inglaterra. Ele tem cinco mulheres e duas exs. Dos sete casamentos, nasceram mais de 20 filhos. O xeque costuma participar de eventos equestres e de corrida. Devido aos últimos episódios com as princesas Latifa e Haya, os jornais britânicos afirmam que a rainha Elizabeth II se recusa a ser fotografada em público com o bilionário.

Em Ascot, rainha Elizabeth e Mohammed bin Rashid Al Maktoum
Em Ascot, rainha Elizabeth e Mohammed bin Rashid Al Maktoum

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Últimas notícias