Este é um espaço para celebrar a vida e as pessoas. Viaje comigo nesta aventura!

Após demissões e “pitis”, rei Charles é vaiado no País de Gales

Charles e a esposa, Camilla Parker, foram recepcionados com vaias no País de Gales, nação que integra o Reino Unido

atualizado 16/09/2022 12:21

Foto colorida de um senhor vestindo terno Chris Jackson/Getty Images

O reinado do rei Charles III mal começou e já soma episódios polêmicos. Nesta sexta-feira (16/9), o novo monarca e a esposa, a rainha consorte Camilla Parker, fizeram a primeira visita oficial ao País de Gales, nação que integra o Reino Unido. Entretanto, o casal à frente do trono britânico não foi recebido de forma afetuosa pela população. Em vez disso, os súditos vaiaram o atual soberano.

Durante a visita ao País de Gales, Charles e Camilla participam de um Serviço de Oração e Reflexão pela Vida da rainha na Catedral de Llandall, na capital galesa de Cardiff. É a primeira vez que o rei desembarca no país desde a ascensão ao trono, no último dia 8, após a morte da mãe, a rainha Elizabeth II.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Como manda o protocolo, Charles tem feito visitas aos países que compõem o Reino Unido, como Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Não é a primeira vez que o rei é vaiado desde a proclamação. No domingo (11/9), opositores do soberano e da monarquia foram às ruas da capital escocesa, Edimburgo, lamentar a sucessão do primogênito da rainha Elizabeth II. Algumas pessoas levaram cartazes com a frase “Abolir a monarquia” para as manifestações.

Embora tenha passado pela situação incômoda, o rei Charles III carrega um carinho especial pelo país, afinal, ele deteve o título de príncipe de Gales ao longo de cinco décadas. “Sua paixão e afeição pelo País de Gales tem sido clara. Ele demonstrou um compromisso ao longo da vida com o povo galês”, disse um porta-voz do novo monarca.

Charles visitou o solo galês nesta sexta-feira (16/9). Por anos, ele deteve o título de príncipe de Gales

Demissões

Conforme publicou o jornal britânico The Guardian nessa terça-feira (13/9), 100 colaboradores da Clarence House, ex-residência oficial do novo soberano, foram informados de que deverão deixar em breve os cargos profissionais quando ele e a esposa, a rainha consorte Camilla Parker, se mudarem para o Palácio de Buckingham, sede da monarquia.

Os empregados trabalhavam para o novo soberano enquanto ele atuava como príncipe. Os profissionais receberam o aviso da demissão por meio de cartas. A mensagem trazia que os serviços dos colaboradores não serão mais necessários. No recado, consta que as equipes receberão ajuda da Coroa britânica para encontrar novos empregos.

foto colorida de um homem velho e uma mulher velha sentados em tronos
Rei Charles III e Camilla sentam pela primeira vez em trono

Ao lerem a respeito da demissão, os colaboradores ficaram enfurecidos, segundo o jornal The Guardian. “Todos estão furiosos, incluindo os secretários particulares e a equipe de comando. Todo o pessoal tem trabalhado muito desde a noite de quinta-feira [quando a rainha Elizabeth II morreu] para se deparar com isso. As pessoas estão muito alteradas”, confidenciou um informante ao jornal britânico.

“Pitis”

No sábado (10/9), Charles foi proclamado rei do Reino Unido, entretanto, não passou despercebido o chilique dado por ele ao assinar o documento que o monarca. O soberano requisitou que um dos ajudantes retirasse a caixa da caneta da mesa. Para isso, acenou energeticamente mais de uma vez e a internet não perdoou o episódio ao defini-lo como “piti”.

Passado três dias, mais precisamente na terça-feira (13/9), o rei Charles III voltou a protagonizar um faniquito. Ele se irritou ao errar a data e ser deixado na mão pela caneta. O objeto vazou tinta. O soberano entregou o item para a esposa, a rainha consorte Camilla Parker, e exclamou: “Eu odeio isso”. O incidente ocorreu no Castelo de Hillsborough, situado na Irlanda do Norte.

Para saber mais, siga o perfil da coluna no Instagram.

Mais lidas
Últimas notícias