Veja as regras de funcionamento das atividades na fase vermelha em SP

Todo o estado entra na fase mais rígida do isolamento a partir de meia-noite de sábado (6/3)

atualizado 03/03/2021 14:38

Cidade de São Paulo na fase vermelhaFábio Vieira/Metrópoles

São Paulo – Devido ao agravamento da pandemia de Covid-19, o governo de São Paulo anunciou reclassificação de todos os municípios do estado para a fase vermelha do Plano SP. Nesta fase funcionam apenas os serviços essenciais.

Ao anunciar a medida, a secretária de Desenvolvimento Econômico do estado, Patrícia Ellen, pediu compreensão dos comerciantes. “Haverá perdas, mas precisamos estar vivos para o funcionamento das atividades”, destacou.

Veja aqui as regras de funcionamento:

Saúde: Hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas e estabelecimentos de saúde animal

Alimentação: supermercados, açougues e padarias, lojas de suplemento, feiras livres. É vedado consumo no local

Segurança: serviços de segurança pública e privada

Comunicação social: meios de comunicação social executados por empresas jornalísticas e de radiofusão sonora e de sons e imagens

Construção civil e indústria: sem restrição

Serviços gerais: hotéis, lavanderias, serviços de limpeza, manutenção e zeladoria, serviços bancários (incluindo lotéricas), serviços de call center, assistência técnica de eletrônicos, bancas de jornais e atividades religiosas

Restaurantes: é permitido delivery, retirada, drive-thru e similares. É vedado consumo no local

Logística: estabelecimento e empresas de locação de veículos, oficinas de veículos automotores, transporte público coletivo, táxi, aplicativos de transporte, serviços de entrega e estacionamento

Abastecimento: cadeia de abastecimento e logística, produção agropecuária, transportadora, armazéns, postos de combustíveis e lojas de materiais de construção

Escolas: seguem abertas, mas é opcional aos pais enviar os filhos às escolas

0
Fase vermelha

A implementação da fase vermelha ocorreu após o estado bater recorde de internados em leitos de UTI, com 7.276. No mesmo dia, São Paulo registrou o número mais alto de mortes em um dia. Foram 468 óbitos em 24 horas, o que fez o estado chegar a marca de 60 mil mortes.

De acordo com Doria, os hospitais atingiram 100% da ocupação dos leitos. Na terça-feira (2/3), ele pediu colaboração da população para evitar o colapso no sistema de saúde do estado.

Últimas notícias