Ministério manda fechar Backer: “Risco iminente à saúde pública”

Ministério da Agricultura apreendeu 16 mil litros de cerveja na fábrica que produz a Belorizontina

atualizado 10/01/2020 20:00

MAPA/Divulgação

Alegando “risco iminente à saúde pública”, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) determinou o fechamento cautelar da Cervejaria Backer, fabricante da cerveja Belorizontina. A empresa fica na capital mineira, mas distribui seus produtos nacionalmente.

Laudo da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) confirmou, na quinta-feira (09/01/2020), a contaminação de duas amostras da cerveja com a substância dietilenoglicol. A suspeita é que a bebida tenha causado uma doença misteriosa que já matou uma pessoa e afetou pelo menos outras nove.

“Análises laboratoriais seguem sendo realizadas nas amostras coletadas pela equipe de fiscalização das Superintendências Federais de Agricultura. Além disso, mais de 16 mil litros de cervejas foram apreendidos cautelarmente. Novas informações serão prestadas após os resultados das análises laboratoriais feitas pelo Mapa”, informou o Ministério da Agricultura, em nota.

O fechamento cautelar da empresa é a ação mais expressiva do poder público em relação ao caso até agora.

Mais cedo, ainda nesta sexta, em resolução publicada em edição extra do Diário Oficial da União, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o recolhimento, em todo o país, de dois lotes da cerveja Belorizontina.

Os lotes são os de número L1 1348 e L2 1348. A agência orienta, ainda, que os consumidores não bebam o produto, que é suspeito de causar uma doença que tem como sintomas insuficiência renal e alterações neurológicas e levou a pelo menos uma morte.

A Backer ainda não se manifestou sobre a determinação do Mapa.

Últimas notícias