Anvisa determina recolhimento de 2 lotes da cerveja Belorizontina

Em princípio, lotes foram distribuídos em Belo Horizonte, mas determinação vale para todo o país

DivulgaçãoDivulgação

atualizado 10/01/2020 18:57

Em resolução publicada em edição extra do Diário Oficial da União nesta sexta-feira (10/01/2020), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o recolhimento, em todo o país, de dois lotes da cerveja Belorizontina, fabricada pela Cervejaria Backer, de Minas Gerais.

Os lotes são os de número L1 1348 e L2 1348. A agência orienta ainda que os consumidores não bebam o produto, que é suspeito de causar uma doença que tem como sintomas insuficiência renal e alterações neurológicas e levou a pelo menos uma morte.

“A decisão do recolhimento foi motivada pela suspeita de uma relação entre o consumo da cerveja desses lotes e os casos”, diz nota da Anvisa.

O número do lote está impresso em um retângulo branco na parte de trás da embalagem da cerveja, junto com a data de validade. Em princípio, esses dois lotes contém 66 mil garrafas de cerveja.

Outro lotes, porém, seguem sendo analisados pelas autoridades sanitárias.

“O recolhimento dos produtos é de responsabilidade do próprio fabricante”, informou ainda a Anvisa. A Cervejaria Backer já havia informado que pretendia recolher os lotes e uma força-tarefa criada em Belo Horizonte pediu aos consumidores que possuam cervejas dos lotes citados para levá-las até unidades da Vigilância Sanitária municipal.

Laudo da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) confirmou, na quinta-feira (09/01/2020), a contaminação de duas amostras da cerveja com a substância dietilenoglicol. A suspeita é que a bebida tenha causado uma doença misteriosa que já matou uma pessoa e afetou pelo menos outras nove.

Todos os lotes
A cervejaria Backer informou, também nesta sexta (10/01/2020), que vai recolher as cervejas belorizontinas, mesmo as que não fazem parte dos lotes contaminados. Além disso, os consumidores poderão devolver os produtos e receber o dinheiro da compra.

“A Backer informa que continua colaborando com as autoridades, que tem todo interesse em esclarecer os fatos e reitera que a substância dietilenoglicol não faz parte de nenhuma etapa do processo de fabricação de seus produtos”, diz trecho de nota divulgada pela cervejaria.