No Maranhão, Bolsonaro afirma que vai “erradicar o comunismo do Brasil”

O discurso do presidente focou na provocação ao governador Flávio Dino, que é do PCdoB, e alvo de ataques do bolsonarismo

atualizado 29/10/2020 16:45

Jair BolsonaroReprodução/TV Brasil

Em visita ao Maranhão, nesta quinta-feira (29/10), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que vai “erradicar o comunismo” do Brasil. O governador do estado, Flávio Dino, que é do PCdoB, não foi convidado para nenhuma das atividades do presidente.

“Nós vamos, em um curto espaço de tempo, mandar embora o comunismo do Brasil. Nós não aceitamos esse regime ditatorial, onde o povo não tem vez. Nós somos a liberdade, aqueles que não têm medo da verdade. Juntos com vocês, nós construiremos o novo Brasil”, disse Bolsonaro, diante de uma plateia que gritava “fora, Dino” na cerimônia de inauguração das obras do mercado popular conhecido como “Panelódromo” e de duplicação da BR-010, em Imperatriz.

“Podem ter certeza. Outras vezes viremos aqui e, se Deus quiser, brevemente estaremos para comemorar a erradicação do comunismo em nosso Brasil”, disse o presidente.

Esta é a primeira vez que Bolsonaro visita o Maranhão. Já nos preparativos da viagem, ele provocou o governador dizendo que havia solicitado proteção policial para a visita, que teria sido negada por Dino. O governador, por sua vez, informou que o presidente mentiu e entrou com uma interpelação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Na sexta-feira passada, o Planalto enviou um comunicado diretamente para a Secretaria de Segurança Pública do estado, avisando sobre a visita. Ao comentar o episódio, Dino justificou que não acompanharia a presença do presidente no estado por “não ter sido convidado”.

Bolsonaro participou da inauguração de obras na capital São Luís e em Imperatriz, segunda maior cidade do estado. Logo que chegou à capital, o presidente se encontrou apoiadores e, sem máscara, interagiu com o grupo. O item de proteção é obrigatório no estado.

0

Na primeira agenda, na capital, o presidente fez uma visita técnica às obras de restauração da BR-135, no quilômetro 37, e inaugurou um trecho de 3,7 km entre São Luís e o município de Bacabeira. Até o fim do ano, a promessa é que sejam restaurados 11 km da via, única de acesso rodoviário à ilha de São Luís.

Acompanham Bolsonaro na viagem os ministros do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, das Comunicações, Fábio Faria, do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

 

Últimas notícias