Mourão sobre demissão de Salles: “Cumpriu sua tarefa”

O general disse que se reunirá com o novo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Pereira Leite, nesta sexta-feira (25/6) e espera cooperação

atualizado 24/06/2021 14:42

Hamilton Mourão fala com a imprensa na saída da vice-presidênciaHugo Barreto/Metrópoles

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) comentou, na tarde desta quinta-feira (24/6), o pedido de demissão do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. O general disse que se reunirá com o novo chefe da pasta, Joaquim Pereira Leite, nesta sexta-feira (25/6).

“Não sei quais foram os motivos que o levaram a pedir demissão, mas cumpriu sua tarefa. Joaquim tem trabalhado com a gente ao longo desse período que eu estou no Conselho Nacional da Amazônia. Ele é o secretário da Amazônia e espero cooperação da parte dele”, disse Mourão.

Segundo Mourão, Salles cooperou “em determinados momentos”. “Em outros, ele estava com alguns problemas de ordem pessoal dele, isso deve ter afetado. Não estou calçando o sapato dele, não sei o que estava afetando. O Joaquim, eu tenho uma boa impressão dele”, continuou..

O general, que também é presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal (Cnal), afirmou que deve encontrar o novo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Pereira Leite, nesta sexta-feira, no fim da manhã.

“Questão de a gente conversar e acertar as questões. Pedir a cooperação nas operações que vão começar, para que tenha o maior efetivo possível do Ibama e ICMBio e ouvir dele o que ele precisa. Muitas vezes, nessas operações interagências, cada uma tem sua maneira de trabalhar. E quando entram as Forças Armadas, têm que ter uma linguagem única e cooperação uns com os outros”, explicou.

Mourão também afirmou que não avaliaria a gestão de Salles, porque não compete a ele. “Quem avalia a gestão do ministro é a população, as autoridades. Ele não era meu subordinado, então, não tenho que avaliar”.

GLO na Amazônia

A expectativa de Mourão, no aspecto de cooperação com o novo chefe da pasta é em decorrência do trabalho do Conselho da Amazônia, que está ligado diretamente ao Meio Ambiente. O general vinha se queixando da ausência de Salles nas reuniões dos ministros que compõem o órgão.

“Acho que a política vem sendo executada, nós temos alguns problemas ligados à questão de capacidade das agências e necessitam que nós tenhamos recursos capazes de recuperar essas agências”, disse Mourão.

Apesar de ter sido autorizada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) , o decreto que faz com que as Forças Armadas voltem à Amazônia ainda não foi publicado.

“Estamos aguardando as assinaturas. Têm os governadores que têm que aderir, importante que eles se pendurem nesse decreto para que a gente tenha o máximo de sinergia nisso aí”, afirmou. A previsão era para que a Operação Verde Brasil 3 começasse esta semana.

Mais lidas
Últimas notícias