Mortes na pandemia: Bolsonaro não pedirá direito de resposta à Globo

Em 8 de agosto, Jornal Nacional divulgou editorial questionando se presidente cumpriu seu dever como chefe de Estado durante a pandemia

atualizado 14/05/2021 8:14

O presidente Jair Bolsonaro participa do Lançamento da plataforma Participa + Brasil, no Palácio do PlanaltoHugo Barreto/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desistiu de pedir à Justiça o direito de resposta ao Jornal Nacional, da TV Globo, que questionou se ele cumpriu seu dever, como chefe de Estado, para evitar as mortes por Covid-19. As informações são da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo.

Em 8 de agosto de 2020, o principal telejornal do país divulgou um editorial sobre a marca de 100 mil mortes pela doença. O texto ressaltava que, à época, o país estava sem ministro da Saúde havia 85 dias.

Na ocasião, Bolsonaro reagia às notícias negativas da pandemia com declarações polêmicas, dizendo que a Covid-19 era uma “chuva” e que “todos iriam se molhar” e que todos os brasileiros iriam morrer algum dia.

Quando o Brasil ultrapassou a China em número de mortos pela doença, ainda em abril de 2020, Bolsonaro disse: “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, declarou, em referência ao próprio sobrenome.

Após o editorial, Bolsonaro foi às redes sociais dizer que a TV Globo “festejava as mortes”. À época, a Advocacia-Geral da União (AGU) ainda entrou com um pedido de resposta.

Após perder em duas instâncias, a AGU informou à Justiça, na última quarta-feira (12/5), que não mais apresentará recurso para reverter a decisão. Hoje, o Brasil acumula 430 mil óbitos em decorrência da pandemia.

0

Últimas notícias