Bolsonaro pede a Zambelli para propor “CPI do Tratamento Imediato”

Em live nas redes sociais, presidente voltou a defender medicamentos sem comprovação científica contra a Covid-19

atualizado 13/05/2021 20:46

Live do presidente Jair BolsonaroReprodução/Youtube

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (13/5) que pediu à aliada Carla Zambelli (PSL-SP) que proponha na Câmara dos Deputados uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para defender o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus, mas que vêm sido defendidos por ele ao longo da pandemia.

“Fiz uma proposta para a Carla Zambelli sugerindo uma CPI na Câmara pra investigar o tratamento imediato”, disse Bolsonaro durante live nas redes sociais. “Tratamento imediato, porque se falar outro nome pode cair a live aqui”, completou ele.

Bolsonaro se referia à expressão “tratamento precoce” e à cloroquina. “Eu tomei lá atrás e, se pegar [Covid] de novo, vou tomar de novo”, disse sobre o remédio para a malária, também sem citar seu nome.

Bolsonaro reagiu ao depoimento do gerente-geral da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, também nesta quinta.

“Ele falou que a proposta lá atrás [em agosto de 2020] era 9 milhões de doses no primeiro semestre e 61 milhões no segundo semestre, fechando 70 milhões. Mas fechamos um contrato [em  março deste ano], fechamos 100 milhões de doses. Em vez de 9 milhões no primeiro semestre, estamos comprando 14 milhões. Precisa falar mais alguma coisa?”, provocou.

“[em 2020] tínhamos impedimento legal, tinha que passar pela Anvisa, seria uma irresponsabilidade minha aceitar a importação da vacina”, continuou Bolsonaro.

“Não podíamos assinar contrato ano passado, tinha muita incerteza jurídica, além de incerteza sanitária. Fizemos a coisa certa”, concluiu ele, elogiando o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que hoje pediu, via Advocacia Geral da União, para poder ficar calado quando for depor à CPI.

Bolsonaro ainda provocou o desafeto Renan Calheiros (MDB-AL): “A CPI tá ajudando a gente politicamente, mas não quero ajuda política… Quero ajudar a população. Muito obrigado, Renan Calheiros”, disparou Bolsonaro.

Depoimento

Na CPI, o diretor da Pfizer confirmou que o Brasil ignorou as primeiras ofertas de vacina feitas pela empresa, a partir de agosto do ano passado.

Últimas notícias