Guedes diz que Febraban é casa de lobby e financia “ministro fura-teto”

O economista não citou nome de nenhum colega, mas vem trocando farpas há meses com o chefe do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho

atualizado 29/10/2020 19:48

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Irritado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (29/10) que a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) é uma casa de lobby que financia “ministro gastador” a fim de enfraquecê-lo. A declaração foi dada durante audiência pública na comissão especial do Congresso sobre a Covid-19.

“A Febraban é uma casa de lobby muito honrada, muito justo o lobby, mas está escrito na testa ‘lobby bancário’, que é para todo mundo entender do que se trata. Inclusive, financiando estudos que não têm nada a ver com a atividade de defesa das transações bancárias. Financiando ministro gastador para ver se fura o teto, para ver se derruba o outro lado”, declarou Guedes.

Embora não tenha citado nome de nenhum ministro, Guedes vem trocando farpas há meses com o titular do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, a quem já acusou publicamente de ser “fura-teto”.

Em nota, a Febraban afirmou que “sempre se posicionou pela necessidade de sustentabilidade fiscal como pressuposto da retomada econômica e pela defesa clara em favor da manutenção do teto de gastos”.

O ministro da Economia, que vem sofrendo críticas por causa da ideia aventada sobre novo tributo, voltou a defender a criação de um imposto digital semelhante à antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).

“As pessoas nem entenderam que há um futuro digital chegando. O Brasil é a terceira ou quarta economia digital do mundo. Nós vamos ter que ter um imposto digital mesmo”, afirmou, acrescentando que não haverá aumento de carga tributária.

Últimas notícias