metropoles.com

Deputado Diego Andrade preside comissão especial da PEC dos Precatórios

Hugo Motta (Rep-MG) será o relator; Lucas Virgílio (SD-GO), 1° vice-presidente, Maria do Rosário (PT-RS), 2ª vice, e Bosco Costa (PL-SE), 3°

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Diego Andrade
1 de 1 Diego Andrade - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

A Câmara dos Deputados instalou, nesta quarta-feira (22/9), a comissão especial para vai discutir a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) n° 23/21, a PEC dos Precatórios. O deputado Diego Andrade (PSD-MG) foi eleito o presidente da comissão em chapa única, por 24 votos a favor e um em branco.

O deputado Hugo Motta (PB), líder do Republicanos na Câmara, foi designado relator. O primeiro vice-presidente será o deputado Lucas Virgílio (Solidariedade-GO), a segunda vice, deputada Maria do Rosário (PT-RS), e o terceiro vice, deputado Bosco Costa (PL-SE).

A comissão vai analisar o mérito do texto que foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara na semana passada. A proposta tem sido criticada sob o argumento de que o parcelamento das dívidas seria um calote nos credores. O colegiado terá 34 membros titulares e 34 suplentes. Regimentalmente, tem o prazo de 40 sessões ordinárias para analisar o texto.

“Buscarei dialogar de forma excessiva com partidos e liderança, governo, Judiciário, Tribunal de Contas, estados e municípios, pois sabemos o impacto que isso terá no Orçamento de 2022”, disse Motta, acrescentado que respeitará a segurança jurídica para “garantir o espaço fiscal necessário para estender a mão do governo a quem precisa”, em referência ao Auxílio Brasil.

Precatórios são dívidas judiciais da União com pessoas físicas e empresas e de pagamento obrigatório.

0

Atualmente, o governo federal possui cerca de R$ 89 bilhões em precatórios que deverão ser pagos no próximo ano. O governo quer flexibilizar o parcelamento dessas dívidas judiciais para abrir espaço fiscal para criar o Auxílio Brasil, programa social que deve substituir o Bolsa Família, em ano eleitoral.

Na reunião dessa terça-feira (21/9), entre os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, ficou acertada a proposta de estabelecer um teto de R$ 39,9 bilhões para pagamento dos precatórios no Orçamento do próximo ano, levando em conta o teto de gastos.

Já os R$ 50 bilhões remanescentes, que extrapolam o limite de gastos governamentais, seriam renegociados pela União em 2022, com a possibilidade de prorrogação nos próximos anos.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações