Rollemberg gastou R$ 19,35 por voto e Ibaneis, R$ 2,78

Rollemberg, que teve 210.452 votos, declarou despesas contratadas de R$ 4.072.960,83. O emedebista, com 633.659 votos, contratou R$ 1.766.912,41

Arte/MetrópolesArte/Metrópoles

atualizado 09/10/2018 13:33

Embora tenha partido para o ataque e acusado o seu concorrente ao GDF de abusar do poder econômico, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) gastou oficialmente sete vezes mais do que Ibaneis Rocha (MDB) por voto conquistado no primeiro turno das eleições.

De acordo com dados disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na manhã desta terça-feira (9/10), o candidato à reeleição desembolsou R$ 19,35 por voto. Já o advogado e ex-presidente da OAB-DF, R$ 2,78.

Rollemberg obteve 210.452 votos e declarou despesas contratadas no valor de R$ 4.072.960,83 até o momento, segundo o TSE. O emedebista, por sua vez, reuniu 633.659 votos, contratou R$ 1.766.912,41. A variação entre eles foi de R$ 2.306.041,42.

O governador do DF, inclusive, arrecadou mais do que Ibaneis Rocha: R$ 3.665.531,21 contra R$ 3.560.000,00. A maior fatia dos recursos de Rollemberg veio do fundo partidário. O emedebista está financiando a própria campanha.

Outra diferença entre os dois é que, enquanto Ibaneis gastou dentro do valor arrecadado, Rollemberg extrapolou R$ 407.425.62 mil além do que entrou no caixa de sua campanha, indo contra o seu discurso de austeridade à frente do Palácio do Buriti.

Analisando as contas prestadas pelos dois candidatos à Justiça Eleitoral, percebe-se ainda que, dos serviços contratados por Rollemberg, apenas a metade foi quitada: R$ 2.072.037,49. Já Ibaneis pagou R$ 1.642.075,83.

Gastos
Rollemberg usou a maior fatia do que arrecadou (35%) com despesas referentes a programas de rádio e televisão. Outros 10% foram destinados a consultoria de marketing. Os principais desembolsos de Ibaneis foram para gravação de programa eleitoral (28%) e desenvolvimento de campanhas (17%).

Pela legislação eleitoral, candidatos ao governo podem gastar até R$ 5.600.000,00 durante o primeiro turno da campanha e mais R$ 2.800.000,00 na reta final. Eles têm até o dia 17 de novembro para prestar todas as contas ao TSE.

Últimas notícias