*
 

Enviada especial a Curitiba (PR) – Após horas de reunião em um hotel em Curitiba (PR), a executiva nacional do Partido dos Trabalhadores aprovou e divulgou uma resolução política. O texto reafirma o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato à Presidência da República pela sigla e o aponta como o líder “mais injustiçado do Brasil, desde o fim da ditadura”.

Lula está preso na Superintendência Regional da Policia Federal, na capital paranaense, desde a noite de sábado (7/4), onde deu início ao cumprimento de pena de 12 anos e 1 mês de reclusão, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá (SP).

No documento, o PT sustenta: “A prisão inconstitucional do ex-presidente Lula, sua condenação sem provas por juízes parciais, que sequer apontaram-lhe um crime, e a negativa, pela 5ª turma do STJ [Superior Tribunal de Justiça] e pela maioria do STF [Supremo Tribunal Federal], do direito de recorrer em liberdade constituem a maior violência contra uma liderança nacional desde a redemocratização”.

Para o comando partidário, o político “agigantou-se” ao apresentar-se à Polícia Federal para cumprir a ordem de prisão expedida, na quinta-feira (5), pelo juiz Sérgio Moro. O fundador do PT, no entanto, descumpriu por duas vezes o prazo dado pela PF para ele se apresentar, conforme combinado com seus advogados: a militância tentou impedir sua saída do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), onde ele se refugiou por 48 horas.

No documento, a sigla anuncia calendário de eventos de resistência à prisão de Lula. Desde sábado, cerca de 2 mil simpatizantes estão acampados nas imediações da sede da PF em Curitiba, e mais caravanas são esperadas. A partir desta terça (9), grupo de 10 governadores devem ir à cidade para tentar encontro com o ex-presidente encarcerado.

Confira a íntegra da nota da executiva petista: 

O Partido dos Trabalhadores saúda as multidões de brasileiros e brasileiras que se mobilizaram, em São Bernardo do Campo, em centenas de cidades do país e no exterior, em defesa da liberdade do ex-presidente Lula.

Desde o último sábado, esta mobilização tem o seu centro político na cidade de Curitiba, onde está sendo realizada a Vigília Democrática pela Liberdade de Lula, nas proximidades da sede da Polícia Federal.

A prisão inconstitucional do ex-presidente Lula, sua condenação sem provas por juízes parciais, que sequer apontaram-lhe um crime, e a negativa, pela 5ª turma do STJ e pela maioria do STF, do direito de recorrer em liberdade constituem a maior violência contra uma liderança nacional desde a redemocratização.

Essa violência desperta indignação dentro e fora do país e só ressalta o fato de que Lula é o maior líder político do Brasil, reconhecido e respeitado internacionalmente.

A estatura política e pessoal de Lula agigantou-se pela maneira digna como ele cumpriu o mandado ilegal de prisão, no sindicato que é o berço de sua liderança política: de cabeça erguida, nos braços do povo, uma imagem que repercutiu ao redor do mundo.

A prisão ilegal de Lula é um desdobramento do grande golpe contra a democracia que começou com o impeachment sem crime da presidenta Dilma Rousseff , que levou à retirada de direitos dos trabalhadores, ao desmonte de empresas públicas, à entrega da soberania e do patrimônio nacional.

Lula é inocente! Lula é um preso político!

Por tudo isso, por toda sua história, Lula continua sendo nosso candidato à Presidência da República e sua candidatura será registrada no dia 15 de agosto, conforme a legislação eleitoral.

A principal tarefa do PT é lutar pela liberdade de Lula, em ações coordenadas com outros partidos políticos, movimentos sociais, frentes, organizações e personalidades de todo o Brasil e de outros países.

Caberá à Direção Nacional do PT fazer as articulações com outros partidos, que serão conduzidas pela presidenta Gleisi Hoffmann, designada por Lula como sua porta-voz política até que ele recupere a liberdade.

A Comissão Executiva Nacional decidiu que o comando político do partido ficará instalado em Curitiba.

O PT divulgará calendário de ações, mobilizações e resistência pela liberdade de Lula.

Não sairemos das ruas enquanto Lula não estiver em liberdade.

LULA INOCENTE!

LULA LIVRE!

LULA PRESIDENTE!

Curitiba, 9 de abril de 2018,

COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES

 

 

COMENTE

curitibaprisão de Lulaexecutiva nacional do PT
comunicar erro à redação

Leia mais: Política