Análise: embalados por Bolsonaro, evangélicos puxam pautas religiosas

Representantes de igrejas atuam no STF contra a criminalização da homofobia e, no Senado, pela proibição do aborto em todas as situações

Daniel Ferreira/MetrópolesDaniel Ferreira/Metrópoles

atualizado 14/02/2019 1:54

A vitória de Jair Bolsonaro (PSL) na eleição presidencial do ano passado reforçou o lobby das igrejas evangélicas por pautas na área comportamental. Nessa direção, grupos religiosos ganharam fôlego para fazer pressão no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Congresso em defesa de propostas de teor moralista.

O embate mais decisivo se dá no campo jurídico. O STF iniciou nessa quarta-feira (13/2) o julgamento de ações que definem como crime pregações de pastores contra a orientação sexual de homossexuais e transexuais. O caso será retomado nesta quinta-feira (14).

Do ponto de vista dos evangélicos, a criminalização da homofobia inibiria os religiosos de manifestar posições adversas às causas da população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais). Assim, argumentam que estariam impedidos de transmitir ao público suas interpretações dos “livros sagrados”.

Na opinião desses segmentos, os textos tradicionais condenam e tratam a homossexualidade como “pecado”. A pregação das crenças para os convertidos, advogam, não deve ser tratada como crime.

Bolsonaro é representado na discussão pelo advogado-geral da União, André Mendonça, contrário às ações julgadas pelo STF. Para eles, os parâmetros sobre essa questão devem ser definidos pelo Congresso, e não pelo Supremo.

No Parlamento, o presidente conta com a força da numerosa bancada evangélica para barrar propostas comportamentais liberalizantes. A possibilidade de interferir na vida sexual e afetiva dos indivíduos faz parte do pacote de ideias encampadas por amplas parcelas dos eleitores que votaram em Bolsonaro e nos parlamentares que o apoiam no Congresso.

Outra frente de atuação dos setores religiosos desengavetou no Senado uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que proíbe o aborto em qualquer circunstância. Hoje, a interrupção da gravidez é legal até a 12ª semana de gestação quando a mãe corre risco de morrer, em casos de estupro e em ocorrências de fetos sem cérebros.

Apresentada em 2015 pelo então senador Magno Malta (PR-ES), que não foi reeleito, a PEC garante a “inviolabilidade da vida desde a concepção” e estava arquivada. Uma votação no plenário do Senado desengavetou a proposta.

A apreciação das propostas de cunho moral corre paralela à tramitação de temas caros para o governo, como a reforma da Previdência. Como tudo o que acontece no Congresso, os assuntos se entrelaçam de acordo com as conveniências dos políticos.

Como consequência desse cruzamento de interesses, por exemplo, pode-se esperar que parlamentares exijam o compromisso do Palácio do Planalto com os temas comportamentais em troca da aprovação de medidas econômicas. Se esse tipo de barganha não acabar, não se pode falar em nova política.

Últimas notícias