MPF denuncia oito pessoas por fraudes em hospital de campanha no Rio

Secretários de municípios do norte fluminense e empresários são apontados por fraudar licitação em contratos e montagem de unidade

atualizado 25/02/2021 20:25

Hospital de Campanha de CeilândiaBreno Esaki/Agência Saúde DF

Rio de Janeiro – O Ministério Público Federal (MPF) denunciou secretários e funcionários do município de Carapebus e mais três empresários por fraude em licitação e superfaturamento na montagem de hospital de campanha para atendimento a pacientes com suspeita de Covid-19, no norte fluminense.

A denúncia é resultado da Operação Scepticus, deflagrada em 2020. A investigação revelou que os servidores públicos denunciados forjaram o processo de dispensa de licitação para montagem do hospital de campanha com o objetivo de beneficiar as empresas.

A prefeitura pagou R$ 1,3 milhão pela montagem e manutenção do hospital de campanha por três meses.

Perícia realizada pela Polícia Federal apontou um superfaturamento de R$ 763.395,48, por meio da prática do sobrepreço na estimativa do preço e pela substituição de itens da planilha por outros de valor inferior.

A investigação do MPF continua para apurar outros procedimentos relacionados à compra de medicamentos, equipamentos de proteção individual, material hospitalar, testes rápidos, equipamentos hospitalares e material de limpeza.

A soma de recursos públicos envolvidos nas dispensas de licitação investigadas chega a R$ 4,7 milhões.

Últimas notícias