“Mind the gap”: presidente da Petrobras manda recado a Bolsonaro

Em videoconferência, Roberto Castello Branco chamou atenção para a defasagem entre os preços de combustíveis no Brasil e no exterior

atualizado 25/02/2021 14:01

Roberto Castello BrancoReprodução

Em sua primeira aparição depois que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou troca no comando da Petrobras, o presidente da estatal petroleira, Roberto Castello Branco, surgiu em videoconferência com analistas do mercado financeiro, nesta quinta-feira (25/2), vestindo uma camisa com os dizeres “Mind the gap”.

O termo em inglês é usado em avisos sonoros do metrô de Londres para alertar os passageiros sobre o vão entre o trem e a plataforma, e pode ser traduzido também como “atenção à defasagem”. A expressão pode ser aplicada à discrepância entre os preços dos combustíveis no Brasil e no exterior, fato que foi um dos principais motivos para a demissão de Castello Branco.

O próprio executivo, que está em home office, fez a correlação. As informações são do jornal O Globo.

“Desde que assumi, em janeiro de 2019, comecei a implementar uma estratégia que foi seguida à risca. Nossa visão estratégica é baseada no lema ‘Mind the gap’, que está escrito na minha camisa. Pedimos emprestado ao undergound [metrô] de Londres o ‘Mind the gap’ porque, em vez de ter uma visão interna, ou seja, de nos compararmos com nós mesmos, queremos nos comparar com os melhores e ser o melhor, ou pelo menos uma das melhores empresas de petróleo do mundo”, disse Castello Branco.

Pressionado pelos caminhoneiros, o presidente Bolsonaro tem se queixado do aumento nos preços do diesel e da gasolina este ano. O último reajuste foi na última sexta-feira (19/2), mesmo data em que foi anunciada a destituição de Castello Branco.

Apesar dos sete reajustes aplicados pela Petrobras neste ano — quatro no preço da gasolina e três no do diesel —, os combustíveis ainda acumulam defasagem de 6% e 7% em relação aos valores praticados no mercado internacional, respectivamente.

Com a alta do preço internacional do petróleo, o receio do mercado é que essa defasagem se amplie no curto prazo, diante da troca de comando da Petrobras. A tendência, segundo os consultores, é que o preço do barril aumente ao longo do ano.

Home office

Na segunda-feira (22/2), o chefe do Executivo reclamou que o atual presidente da estatal está de home office há 11 meses e classificou o episódio como “inadmissível”. Por ter idade avançada, Castello Branco faz parte do grupo de risco da Covid-19.

“O atual presidente da Petrobras está há 11 meses em casa, sem trabalhar, né? Trabalha, mas de forma remota. Agora, o chefe tem que estar na frente, bem como os seus diretores. Então, isso para mim é inadmissível. Descobri isso há poucas semanas”, disse Bolsonaro a apoiadores.

Últimas notícias