Mandetta sobre atraso dos dados da Covid-19: “Se pedissem, não atenderia”

O Ministério da Saúde tem atualizado os números após as 22h, o que prejudica a publicidade das informações. Antes, o balanço ocorria às 17h

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e secretários de Vivilância em Saúde, Wanderson Kleber, e o secretário-executivo durante coletiva Palcio PLanalto covid-19Igo Estrela/Metrópoles

atualizado 05/06/2020 13:57

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta rechaçou os atrasos na divulgação do número de mortes e infectados pela Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O Ministério da Saúde tem atualizado os números após as 22h, o que prejudica a publicidade das informações.

Segundo Mandetta, enquanto esteve na pasta, não houve pedido nesse sentido. “Desde o início, determinei que fosse feito às 17 horas e nunca me pediram para adiar. E mesmo que pedissem, eu não atenderia”, frisou.

Na última semana, a atualização tem registrado atrasos que ultrapassam três horas. Ao mesmo tempo, o país tem registrado recordes de óbitos e adoecimentos. O Metrópoles apurou com uma fonte da Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde que as informações das secretarias estaduais de Saúde são reunidas até às 19h, quando as planilhas de casos e mortos são finalizadas. O processo começa por volta das 16h. A pasta conta ainda com um sistema on-line para a inserção dos números pelos gestores locais.

Pela regra, a notificação dos casos deve ser inserida no e-SUS Vigilância Epidemiológica (e-SUS VE), a ferramenta de registro de casos suspeitos e confirmados do novo coronavírus.

A principal crítica é que as informações têm sido divulgadas após às 22 horas. Isso impacta na publicidade do panorama. Neste horário, os principais telejornais já foram exibidos pelas emissoras de TV e o fechamento dos jornais impressos já está em fase final.

Oficialmente, o Ministério da Saúde não explica a situação. O único posicionamento é que a pasta tem enfrentado “problemas técnicos”. Nos bastidores, especula-se que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recomendou a mudança de rumo.

Os atrasos diários nos dados causam “apagão” e atrapalham resposta à Covid-19, dizem especialistas. A forma como as informações está sendo tratada desencadeou reações da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e até de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

0
Notificar é regra

Desde o início da pandemia, o registro no sistema é obrigatório. A determinação é do próprio Ministério da Saúde, que editou uma nota técnica orientando as secretarias de Saúde estaduais e municipais.

Segundo a pasta, as equipes de saúde da atenção primária devem informar as ocorrências de maneira ágil, “auxiliando a gestão no monitoramento e na análise da situação epidemiológica da transmissão da Covid-19.

“Os dados vão auxiliar na tomada de decisão acerca das medidas locais de isolamento social e nas ações de suporte da capacidade hospitalar instalada no município e nos serviços de referência da rede. Além disso, os órgãos de controle utilizarão as notificações do e-SUS-VE para verificar o uso correto dos testes sorológicos distribuídos pelo governo federal aos municípios”, ressalta a nota técnica.

Últimas notícias