Pela primeira vez, uma mulher toma posse como presidente do TST

Tribunal Superior do Trabalho é a instância mais alta para temas envolvendo direitos trabalhistas, e será presidido por Cristina Pedruzzi

Fotos: Daniel Ferreira/Metrópoles

atualizado 19/02/2020 18:42

A nova presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministra Cristina Peduzzi, tomou posse nesta quarta-feira (19/02/2020). Peduzzi será a primeira mulher a presidir o tribunal em 72 anos.

Entre as autoridades presentes na cerimônia estavam o presidente da República, Jair Bolsonaro,; o vice-presidente, Hamilton Mourão; o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli; o procurador-geral da República, Augusto Aras; o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia; o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro; o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha; e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz.

Na vice-presidência do tribunal, tomou posse o ministro Vieira de Mello Filho. O ministro Aloysio Corrêa da Veiga foi empossado como corregedor-geral da Justiça do Trabalho.

O Tribunal Superior do Trabalho é a instância mais elevada de julgamento para temas envolvendo direitos trabalhistas no Brasil. A Corte conta com 27 ministros.

Em seu discurso de despedida, o ministro João Batista Brito Pereira, agora ex-presidente do TST, fez um breve resumo de sua gestão frente à Justiça do Trabalho.

“É a hora da partida. Parto feliz. […] Durante meu mandato, recebi e aceitei conselhos, ideias e críticas. Tudo contribuiu para o aprimoramento que fiz ao cumprir uma agenda de realizações para fortalecer a Justiça do Trabalho”, disse Brito Pereira.

O ex-presidente do TST ainda desejou a Peduzzi uma “administração exitosa”. “Desejo que, ao concluir seu mandato, Vossa Excelência entregue ao seu sucessor um tribunal melhor do que está recebendo hoje”, concluiu o ministro.

Conheça os novos dirigentes do TST

Cristina Peduzzi
Bacharel em Direito e mestre em direito constitucional pela Universidade de Brasília (UnB), atuou como advogada nos tribunais superiores de 1975 até tomar posse no TST. Foi procuradora da República (1984), procuradora do Trabalho (1992) e professora universitária de graduação e de pós-graduação na UnB e em outras instituições de ensino superior.

Além disso, foi vice-presidente do TST e do CSJT no biênio 2011-2013 e conselheira do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de 2013 a 2015. Entre 2016 e 2018, foi diretora da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados do Trabalho (Enamat).

Vieira de Mello Filho
O ministro tomou posse no TST em 2006 em vaga destinada à magistratura. É formado em direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Foi juiz do trabalho nas Juntas de Conciliação e Julgamento (hoje intituladas Varas do Trabalho) em Belo Horizonte, João Monlevade, Uberaba e Ouro Preto no período de 1987 a 1998, quando foi promovido por merecimento ao Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG).

No TST, presidiu a Comissão de Documentação no biênio 2011-2013. Entre 2018 e 2020, foi diretor da Enamat.

Aloysio Corrêa da Veiga
É ministro do TST desde dezembro de 2004, quando tomou posse em vaga destinada à magistratura. Formou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Católica de Petrópolis (RJ) em 1974.

Ingressou na magistratura em 1981, no cargo de juiz do trabalho substituto, e, em 1997, foi promovido por merecimento ao TRT da 1ª Região (RJ). Dirigiu a Enamat no biênio 2011/2013 e foi conselheiro do CSJT de 2012 a 2014. Compôs o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no biênio 2017/2019 e, em 2018, foi designado corregedor nacional da Justiça substituto.

 

Últimas notícias