“Isso aqui não vai virar circo”, diz juíza após bate-boca em julgamento do caso Henry

Promotor e advogado da mãe do garoto, Monique Medeiros, protagonizaram uma discussão no primeiro dia de audiência

atualizado 06/10/2021 13:10

Aline Massuca/Metrópoles

Rio de Janeiro – O promotor Fábio Oliveira e o advogado de Monique Medeiros, Thiago Minagé, protagonizaram um bate-boca na primeira sessão do julgamento sobre o caso da morte do menino Henry, nesta quarta (6/10), no 2º Tribunal de Justiça, no Rio de Janeiro.

A defesa da mãe do do menino Henry pediu a palavra à juíza Elizabeth Louro Machado, no momento em que o delegado Edson Henrique Damasceno revelou que ela e seu então companheiro, o ex-vereador e médico Jairinho, ficaram muito à vontade na primeira vez que foram delegacia para falar sobre o pequeno, morto em 8 de março.

0

“Monique se mostrou muita à vontade. Ela é Jairinho comeram pizza na delegacia. Jairo fez brincadeiras, como ‘minha minha mulher está na sala com três homens’”, relatou Damasceno. Ainda na unidade, a mulher também tirou uma selfie e postou nas redes sociais.

Na audiência, o promotor perguntou, então, se Monique colocava “panos quentes” nas agressões praticadas por Jairinho contra Henry. Neste momento, o advogado protestou: “Não vou aceitar firulas”, disse Minagé, e começou uma discussão.

A juíza se mostrou, então, enfática: “Isso aqui não é CPI”, afirmou a magistrada ao dirigir-se a Minagé. E acrescentou: “Isso aqui não vai virar circo”, alertou.

Últimas notícias