Governo investiga outras quatro mortes por coronavírus em SP

Um primeiro óbito já foi confirmado. Todos os cinco ocorreram em um hospital particular da capital paulista

atualizado 17/03/2020 17:06

O governo de São Paulo investiga se quatro mortes estão relacionados ao coronavírus. Nesta terça-feira (17/03), as autoridades sanitárias confirmaram que um homem de 62 anos morreu em decorrência do Covid-19.

Segundo o secretário de Saúde de São Paulo, José Henrique German, a vítima estava internada desde 14 de março e não tinha histórico de viagem, ou seja, contraiu a doença no Brasil.

O homem era morador de São Paulo e o diagnóstico de coronavírus foi feito por um laboratório privado. Ele morreu nessa segunda-feira (16/03) às 16h03. A vítima teve os primeiros sintomas em 10 de março.

Todas as cinco mortes ocorreram em um hospital particular da capital paulista. O governo não repassou detalhes dos outros quatro casos. “Estamos vivendo uma pandemia e, nessas circunstâncias, os óbitos acontecem”, lamentou o secretário.

“Temos que repensar cada vez mais as medidas de prevenção, principalmente por se tratar de um óbito comunitário”, reforçou José Henrique Germann.

Investigação
O coordenador do Centro de Contingência do Novo Coronavírus em São Paulo, o infectologista David Uip, afirmou que esses casos foram notificados nesta terça-feira (17/03) e que as autoridades aguardam o resultado de exames para concluir a causa da morte dos outros quatro pacientes.

“O que sabemos hoje é que temos nesse hospital privado cinco óbitos e um já está confirmado que foi causado pelo coronavírus. Ainda estamos investigando”, destacou, em coletiva de imprensa na capital paulista.

David afirmou que as mortes são esperadas, mas que as medidas de prevenção devem ser reforçadas. “Foi uma evolução [da internação ao óbito] rápida. Isso leva a fortalecer as medidas. A morte não pode causar uma situação de pânico”, concluiu.

Balanço
São Paulo tem 152 casos confirmados, de acordo com o Ministério da Saúde. A cidade foi a primeira a registrar infecção comunitária, quando não há informações sobre de quem o paciente pegou a doença.

Agora, o governo de São Paulo fará um esforço para mapear quantos casos graves existem no estado. Com esse dado, as autoridades irão traçam estratégias de tratamento e de controle.

Paulo Menezes, coordenador do Controle de Doenças da Secretária de Saúde de São Paulo, destacou que o importante é saber quantos casos graves há atualmente. “Isso não muda nada no planejamento do estado”, frisou.

De acordo com o mais recente boletim do Ministério da Saúde, o número de casos confirmados de coronavírus subiu para 234. Os doentes estão em 15 estados e no Distrito Federal. Há, ainda, 2.064 casos suspeitos e 1.624 já foram descartados.

O DF tem 22 casos, de acordo com a Secretária de Saúde local, e ainda não registrou infecção comunitária. No DF, uma advogada de 52 anos está internada no Hospital Regional da Asa Norte (Hran).

Últimas notícias