Afilhado de Bolsonaro, Russomanno se recusa a comentar vitória de Biden

Candidato do Republicanos enfrenta derretimento nas pesquisas e luta para ir ao segundo turno em São Paulo

atualizado 07/11/2020 17:19

russomanno em carreataFábio Vieira/Especial para o Metrópoles

Enviado especial a São Paulo – Atravessando uma campanha difícil para a prefeitura de São Paulo, o candidato Celso Russomanno (Republicanos) está se esforçando para não se envolver em mais polêmicas. Questionado pela imprensa neste sábado (7/11) sobre a declaração da vitória do democrata Joe Biden na eleição norte-americana, Russomanno disse que queria falar apenas da cidade.

“Não comento isso, estou fazendo uma campanha em São Paulo”, desvencilhou-se, durante curta entrevista, após participar da segunda carreata do dia. A primeira foi na Zona Leste e a segunda, na Zona Norte da capital paulista.

Russomanno concorre em São Paulo com a bênção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que só não aparece mais na campanha porque a equipe do candidato busca um equilíbrio difícil entre as vantagens da associação com o chefe do Executivo federal e os prejuízos da rejeição. Aliado do candidato derrotado na eleição americana, Donald Trump, Bolsonaro ainda não se manifestou sobre o desfecho do pleito nos Estados Unidos.

Antagonista do presidente na política nacional – e padrinho do candidato Bruno Covas (PSDB) –, o governador paulista João Doria (PSDB) tomou atitude diferente e já até mandou uma carta a Biden, parabenizando-o e convidando o democrata a visitar São Paulo.

 

0
Datafolha

Na corrida eleitoral, atual prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB) consolidou sua liderança nas intenções de voto, segundo pesquisa do instituto Datafolha divulgada na quinta-feira (5/11). Covas agora tem 28%, contra 16% de Russomanno, que caiu 4 pontos em relação ao último levantamento do instituto, divulgado em 22 de outubro. Covas tinha 23% no último levantamento e subiu 5 pontos.

Mantendo os 14% que tinha nessa rodada anterior, Boulos está empatado com Russomano tecnicamente. Márcio França (PSB) oscilou de 10% para 13% e está empatado com os dois.

Ainda na conversa com a imprensa neste sábado, o candidato do Republicanos se mostrou confiante. “Temos nossas pesquisas internas e sabemos como estamos na periferia. Vamos ao segundo turno”, garantiu.

Veja cenas da campanha de Celso Russomanno neste sábado em São Paulo:

Últimas notícias