*
 

Um jogo de basquete entre alunos de escolas de Natal teve um desfecho lamentável. Após o fim de uma partida com o Instituto Federal de Educação Central (IFRN), o Colégio Marista saiu campeão, levando torcida e familiares a invadirem a quadra para comemorar a conquista da medalha de ouro. Porém, parte dos presentes começou a gritar expressões de baixo calão e frases de cunho pejorativo.

“O meu pai come a sua mãe” e “Sua mãe é minha empregada” foram alguns dos hinos discriminatórios entoados pela equipe vencedora do colégio onde estuda a elite da cidade. Além disso, a torcida gritava “1, 2, 3, 4, 5 mil. Queremos Bolsonaro presidente do Brasil”.

Em nota, o IFRN lamentou as ideias emitidas pela torcida da equipe visitante. “Acreditamos que pensamentos, tais quais os manifestados na tarde de ontem, vão totalmente de encontro aos valores de tolerância, inclusão e cidadania fomentados pelas diversas práticas esportivas e não compactuam nem um pouco com os princípios pregados por uma Instituição de Ensino como o Marista”.

Essa não é a primeira vez que a rede Marista se envolve em uma polêmica. Em junho deste ano, o colégio Marista do Rio Grande do Sul também teve seu nome vinculado a preconceito de classes, com a festa “Se nada der certo”. Em fotos, alunos apareceram fantasiados de garçons, faxineiras, atendentes do McDonalds, porteiros e outras profissões que diziam ser inferiores.

Nota de esclarecimento

Neste sábado (4/11), a escola se posicionou por meio de nota. Leia na íntegra:

O Colégio Marista de Natal esclarece que os fatos relatados na final do Basquete do JERN (Jogos Escolares do Rio Grande do Norte), entre o IFRN (Instituto Federal do Rio Grande do Norte) e o Marista, não comungam com a proposta pedagógica e evangelizadora da instituição, nem representam os estudantes, professores e colaboradores deste Colégio.

Situações como estas, que confrontam os princípios de respeito, justiça e solidariedade, não condizem com a educação humana e integral do Marista, pautada em valores cristãos e no respeito às diferenças.

O esporte, pilastra importante do Projeto Educativo Marista, favorece a educação integral, ao promover o respeito e a colaboração entre indivíduos. Desse modo, continuaremos a reforçar o diálogo com os nossos estudantes em todas as atividades, inclusive esportivas, tendo em vista que educar para a vida é a nossa missão.

 

 

 

COMENTE

basquetepreconceitomarista
comunicar erro à redação

Leia mais: Educação