Inflação das classes D e E em junho foi maior que a geral

Em junho, o IPC-C1 indicou alta de 0,09 ponto percentual sobre o IPC-DI, após ter estado abaixo desse indicador por dois meses

atualizado 07/07/2022 12:33

Vitória (ES) - Supermercados lotados e com filas nos caixas e na entrada funcionam em horário reduzido. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)Tânia Rêgo/Agência Brasil

O Índice de Preços ao Consumidor relativo às famílias de renda entre 1 e 2,5 salários mínimos (IPC-C1) registrou alta de 0,76% em junho. Esse valor é maior que o 0,67% registrado no mês pelo indicador mais amplo, o IPC-DI.

É a primeira liderança da alta de preços em específico para as classes D e E frente aos preços gerais ao consumidor, após dois meses abaixo do geral. Os dados são do Portal da Inflação, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), ligado à FGV.

0

Os patamares dos indicadores dos preços ao consumidor e, em específico, para as classes D e E encontrados em junho não foram os maiores no ano. Em março, o IPC-C1 chegou a 1,43%, maior patamar no ano até o momento. No mesmo mês, o IPC-DI marcava 1,35%%.

No mês seguinte, o cenário se inverteu e os preços para as classes mais pobres ficaram abaixo do indicador geral, mas com ligeira distância: a inflação no índice geral baixou a 1,08% em abril e o IPC-C1 desacelerou para 1,03%. Em maio, a distância se acentuou e o IPC-DI chegou a 0,5%, enquanto o IPC-C1 estava em 0,26%.

No indicador mais amplo, em maio o valor ainda era maior que o específico das rendas mais baixas, distância de 0,09 ponto percentual, mas em junho a inflação esse grupo voltou a superar o IPC-DI. A inflação das famílias mais pobres acumulou 10,26% em 12 meses em junho.

Preço dos alimentos

Matheus Peçanha, economista e pesquisador do Ibre, aponta que a inflação das classes mais baixas depende intimamente dos preços dos alimentos.

“Enfrentamos, no Brasil, problemas climáticos, como a seca no Sul e Centro-Oeste entre o fim de 2021 e início de 2022, e depois chuvas torrenciais, que afetaram a produção”, apontou o especialista.

Paralelo a isso, segundo ele, fatores externos que afetam a oferta influenciaram nos preços e na inflação no Brasil. Exemplo foia a guerra na Ucrânia, que ameaçou os preços de commodities como o trigo. “Dessa forma, o grupo das classes D e E sentiram mais o impacto e subiram acima do índice geral”, continuou Peçanha.

Posteriormente, o geral superou o IPC-C1 porque a inflação se “democratizou”, conforme explicou o economista. Avanços do preço do câmbio e preços de combustíveis, que têm mais peso para as classes mais altas, inflaram de forma mais ampla os preços ao consumidor. “Custos, de uma maneira geral, estão muito pressionados há algum tempo”, afirma

Peçanha aponta que essa variação entre a inflação dos preços ao consumidor mais pobre e a inflação ao consumidor geral não é fora do aceitável ou do esperado. “Esses indicadores têm a mesma coleta de preços, mas com ponderação diferente dos itens. Assim, eles devem dar números com uma pequena variação. Geralmente, quando o IPC-C1 está mais alto, é porque a inflação se concentrou nos grupos Alimentação e Habitação (alimentação principalmente). Quando quando os grupos Transporte, Saúde e Educação estão mais acelerados, o inverso acontece”, explica

Índice geral de Preços – junho

O IGP-DI, medido entre o primeiro e o último dia do mês em questão, variou em junho 0,62%. Em maio, o aumento havia sido de 0,69% e, portanto, indica desaceleração. No ano, a alta dos preços já acumula 7,84% e 11,12% em 12 meses. Em junho de 2021, a alta havia sido menor, de 0,11%

Destaques que impulsionaram essa alta no mês foram o salto do preço do leite industrializado para o produtor (foi de 4,89% para 16,3% entre maio e junho) e o aumento do óleo diesel (6,38% para 8,77%). Mas teve freio pelo preço do leite in natura (desacelerou de 7,85% para 3,55%).

Para o consumidor, o leite também encareceu entre maio e junho. O longa vida aumentou 9,9% em junho frente aos 5,17% em maio. Passagens aéreas demonstram arrefecimento. Sobem 9,43% no mês, após a alta de 16,33% em maio.

Sobre itens que puxaram para baixo o IGP-DI, os adubos e fertilizantes, para o produtor, caem 4,69%, após a alta de 5,03% no mês anterior. Para o consumidor, o etanol caiu de +3,09% para -6,79% entre maio e junho. Outro destaque é a queda da cenoura, que já registrava queda de 29,98% em maio e em junho continuou a descida com encolhimento dos preços em 27,29%

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente

Mais lidas
Últimas notícias