Com Censo adiado, IBGE tem novo presidente, indicado por Paulo Guedes

Eduardo Rios Neto vai substituir Susana Guerra, que pediu exoneração do cargo após corte de recursos para o Censo demográfico

atualizado 27/04/2021 7:50

Eduardo Rios NetoFernando Frazão/Agência Brasil

O economista Eduardo Luiz Gonçalves Rios Neto foi nomeado nesta terça-feira (27/4) presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O nome já havia sido anunciado pelo instituto em meados de abril.

Rios Neto foi indicado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, após Susana Cordeiro Guerra pedir exoneração do cargo de presidente do instituto alegando “motivos pessoais e de família”. Ela deixou o comando do IBGE após forte redução de recursos para o Censo demográfico de 2021.

Realizado a cada 10 anos, o Censo foi adiado de 2020 para 2021 em razão da pandemia de Covid-19. O Congresso aprovou o Orçamento de 2021 com um corte de 96% no valor previsto para o Censo Demográfico, de R$ 2 bilhões para apenas R$ 71 milhões, o que inviabiliza a aplicação.

Inicialmente, o IBGE havia solicitado R$ 3,4 bilhões para realizar o Censo em 2020, que era a data prevista para o levantamento. Após pressão do governo federal, enxugou o orçamento para cerca de R$ 2 bilhões, mas o Congresso Nacional reduziu ainda mais as estimativas orçamentárias.

Com o corte, o IBGE suspendeu as provas do concurso público que seria realizado para contratar mais de 204 mil agentes para atuarem na coleta de dados do Censo. Outro concurso já havia sido cancelado em 2020.

Na última sexta-feira (23/4), o secretário especial da Fazenda do Ministério da EconomiaWaldery Rodrigues, confirmou que o Censo demográfico não será realizado este ano.

“Não há previsão orçamentária para o Censo. Portanto, ele não se realizará em 2021. As consequências e a gestão para um novo Censo serão comunicadas ao longo deste ano, a partir de decisões tomadas na Junta de Execução Orçamentária”, declarou o secretário.

Perfil do novo presidente

Atual diretor de Pesquisas do IBGE, Rios Neto é formado em Economia, tem doutorado em Demografia, é membro da Academia Brasileira de Ciências e professor titular aposentado da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Em março, a ex-presidente do instituto e Rios Neto assinaram artigo publicado pelo jornal O Globo e reproduzido na página do IBGE no qual afirmaram que o país ficará em risco sem as informações censitárias.

“Sem o Censo em 2021, as ações governamentais pós-pandemia serão fragilizadas pela ausência das informações que alicerçam as políticas públicas com impactos no território brasileiro, particularmente em seus municípios”, afirmaram.

A nomeação de Rios Neto foi publicada na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União (DOU). Veja:

Últimas notícias