Acre teme desabastecimento após enchentes atingirem 120 mil pessoas

Mais de 32 mil famílias foram atingidas no estado. Situação mais crítica está em Sena Madureira, onde houve estrangulamento da estrada

atualizado 21/02/2021 14:11

Enchentes no AcreArquivo/ Defesa Civil municipal

Com cerca de 120 mil pessoas atingidas pelas enchentes geradas após o transbordamento de rios no Acre, o governo do estado teme uma crise de abastecimento local, em especial no município de Sena Madureira, onde houve um estrangulamento da estrada. As informações são do portal Uol.

A estimativa atual é que o número de famílias atingidas tenha saltado de 29 mil no sábado (20/2) para mais de 32 mil no domingo (21/2). Dessas, 4.400 estão desalojadas e 2.027, desabrigadas.

O rio Juruá, em Cruzeiro do Sul, chegou a seu recorde de nível, alcançando 14,31 metros na sexta-feira, 1,3 metro acima da cota de transbordo. A cidade foi parcialmente inundada, e mais de nove mil famílias foram atingidas direta ou indiretamente.

Cheias nos rios, que causam alagamentos em diversos pontos do estado, também foram observadas na capital Rio Branco e os municípios de Tarauacá, Feijó, Santa Rosa do Purus e Rodrigues Alves.

O governo acreano decretou estado de emergência na última terça-feira (16/2). Além das cheias dos rios, o Acre também enfrenta surto de dengue, crise migratória na fronteira do Acre com o Peru e a falta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes com a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

0

Últimas notícias