O Caso Pazuello, segredo para ser guardado por um século

Exército nega acesso ao conteúdo do processo administrativo aberto para apurar transgressão disciplinar do ex-ministro da Saúde

atualizado 08/06/2021 10:57

CPI COVID SENADO FEDERAL ex ministr pazuello Rafaela Felicciano/Metrópoles

Além do presidente Jair Bolsonaro, do que mais tem medo o Exército para que considere segredo a ser guardado por 100 anos o conteúdo do processo administrativo que deveria ter punido, mas que não puniu o general da ativa Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, que pedalou uma moto, subiu em um carro de som e discursou em uma manifestação político-partidária?

O jornal O GLOBO, com base na Lei de Acesso à Informações, pediu acesso ao processo. O Exército, com base em dispositivo da mesma lei, respondeu que o processo contém informações pessoais e deveria ser mantido em segredo. Por quanto tempo? Dez, vinte, trinta anos, o que já seria um exagero? Não. Por um século. Quantos bebês viverão tanto para conhecer o que se passou?

O comandante do Exército, general Paulo Sérgio Noronha, que perdoou Pazuello por desrespeitar o Regulamento Disciplinar da Arma, foi o mesmo que decidiu a favor da manutenção do segredo secular. Contrariou o entendimento da Controladoria-Geral da União de que procedimento administrativo só deve ficar sob segredo enquanto não tiver sido concluído. Não é o caso.

Não havia muito que apurar. O episódio foi público, filmado e fotografado. Pazuello voou para a manifestação de motociclistas no Rio na companhia do presidente. Montou numa moto e percorreu pouco mais de 30 quilômetros, da Barra da Tijuca, onde Bolsonaro tem casa, até o Aterro do Flamengo. Ali, a convite de Bolsonaro, subiu num carro de som e fez um curto discurso.

Em sua defesa, escrita e oral, negou a natureza partidária da manifestação, alegando que o presidente não tem partido. Argumentou que não poderia desobedecer a uma ordem do Supremo Comandante das Forças Armadas. Sim, e lembrou que em sua ficha de militar nada consta que desabone sua biografia. É o que se sabe. Que mais acrescentou para que o sigilo se justifique?

Duvido que meu neto caçula viva até 2121 para saber.

Últimas do Blog